Desemprego em Portugal sobe para 18,5% enquanto na Zona Euro desce no próximo ano
03 Maio 2013, 10:25 por Diogo Cavaleiro | diogocavaleiro@negocios.pt
Enviar por email
Reportar erro
Portugal é o único dos países resgatados, além de Chipre, que vai registar um agravamento do desemprego entre 2013 e 2014. Na Zona Euro, a média irá cair. Desemprego agrava-se em Portugal como consequência dos cortes no sector público e de um crescimento mais fraco.

A taxa de desemprego em Portugal deverá agravar-se entre o actual e próximo ano, contrariando a tendência que se deverá registar nos países periféricos e na média da Zona Euro, de acordo com as previsões da Primavera divulgadas esta sexta-feira, 3 de Maio, pela Comissão Europeia.

 

A taxa de desemprego em Portugal deverá ficar em 18,2% em 2013, o que compara com a taxa de 15,9% do ano anterior. A subida do desemprego vai continuar no próximo ano, com 18,5% da população activa desempregada.

 

As previsões anunciadas esta sexta-feira pela Comissão Europeia estão em linha com os números inscritos na sétima avaliação da troika (a Comissão faz parte deste grupo, juntamente com o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional), que tinham sido avançados em Março.

 

Já quando comparadas com as Previsões de Inverno de Bruxelas, as novas estimativas da Comissão registam um agravamento no que diz respeito aos valores referentes a Portugal. A 22 de Fevereiro, a Comissão Europeia previa uma taxa de desemprego de 17,3% em Portugal que desceria para 16,8% no ano seguinte. Agora, a taxa irá aumentar e superará mesmo os 18% nos dois anos em análise.

 

Cortes no sector público levam a subida da taxa

 

A nova taxa de desemprego prevista é uma "consequência de previsões de crescimento mais fracas e dos esperados cortes adicionais nos empregos no sector público", salienta o documento dedicado a Portugal. O Produto Interno Bruto português deverá contrair 2,3% em 2013 e crescer 0,6% no próximo ano.

 

Nas suas previsões de hoje, a entidade presidida por Durão Barroso sublinha que a recuperação que prevê para a actividade económica - que deverá estabilizar já este ano - não deverá conseguir puxar por uma redução do desemprego ao mesmo ritmo. As perspectivas apontam para uma estabilização da taxa até 2014. Na União Europeia, a taxa de desemprego ficará em 11,1% em 2013 e manter-se-á no mesmo nível no ano seguinte. Já na Zona Euro, o desemprego deverá representar 12,2% da população activa no presente ano, descendo uma décima percentual em 2014.

 

“As diferenças entre os Estados-membros vão permanecer muito grandes”, alerta Bruxelas nas previsões hoje publicadas. A taxa mas baixa continuará a ser a da Áustria, ficando nos 4,7% em 2013 e 2014. A Alemanha vai registar uma descida do desemprego, com a taxa a resvalar dos 5,4% previstos para este ano para 5,3% no próximo ano - valores mais baixos do que os previstos em Fevereiro.

 

Do lado oposto, Espanha e Grécia vão chegar a uma taxa de desemprego de 27% em 2013. Contudo, ambos vão registar uma quebra no ano seguinte, com a taxa grega a descer para 26% e a espanhola para 26,4%, segundo a Comissão Europeia.

 

A Irlanda, país resgatado pela troika à semelhança da Grécia e Portugal, também vai verificar um declínio da taxa de desemprego de 14,2%, em 2013, para 13,7%, em 2014.

 

Chipre acompanha Portugal no aumento da taxa de desemprego, com um agravamento de 15,5% para 16,9% em 2014.

 

(Notícia actualizada às 10h33 com mais informações; Notícia actualizada às 10h50 com mais informações)

Enviar por email
Reportar erro
pesquisaPor tags: