União Europeia Finlândia diz que o Brexit será tão "doloroso" que ninguém vai querer imitar

Finlândia diz que o Brexit será tão "doloroso" que ninguém vai querer imitar

O ministro finlandês das Finanças acredita que a saída do Reino Unido da UE será muito agonizante, em termos económicos, desincentivando outros de seguirem o mesmo caminho.
Finlândia diz que o Brexit será tão "doloroso" que ninguém vai querer imitar
DR
Negócios com Bloomberg 21 de abril de 2017 às 07:52

Depois de já ter sido apontada como provável seguidora do Reino Unido no processo de saída da União Europeia, a Finlândia mostra que não será esse o seu caminho.

Numa entrevista à Bloomberg, o ministro finlandês das Finanças garantiu que, em vez de mostrar aos outros membros que é possível abandonar o bloco regional, o Brexit vai revelar o quão agonizante é o processo, em termos económicos, e desincentivar os seus parceiros de seguirem o mesmo rumo.

"Este divórcio, depois de 40 anos de casamento, será tão doloroso que ninguém vai querer passar pelo mesmo", afirmou Petteri Orpo. "Acredito que será um precedente que ninguém vai querer seguir".  

Para o ministro das Finanças, a determinação do Reino Unido em avançar com o Brexit está, pelo contrário, a criar mais união entre os restantes 27 membros do bloco, tornando-o mais determinado do que antes. Nesse sentido, considerou o governante, "se esse espírito permanecer, levará a Europa para a frente".

"Não deve haver qualquer abrandamento no desenvolvimento da UE por causa do Brexit", acrescentou Orpo. "Pelo contrário, devemos esforçar-nos ainda mais".

A Finlândia, o único país nórdico que aderiu ao euro, juntou-se à União Europeia em 1995. Após o anúncio do referendo no Reino Unido, pelo então primeiro-ministro britânico David Cameron, chegou a ser apontado – juntamente com outros países como a Holanda – como possível candidato a seguir os britânicos. A convocação de um referendo sobre a permanência no euro chegou mesmo a ser discutida no parlamento.  

No caso do Brexit, as negociações políticas em torno do Artigo 50 só vão começar depois das inesperadas eleições que a primeira-ministra britânica anunciou esta semana para o próximo dia 8 de Junho, segundo avançou, na quarta-feira, o presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker. 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Eduardo Gando Manuel 25.04.2017


Este é um processo que ainda carece de reflexão.

zebanzedoperere 21.04.2017

Este Finlandês está vendido ao Globalismo de Bilderberg e aos tachos que lhe prometeram

Referendem 21.04.2017

Não vivo com chantagens, está na hora de acabar a porcaria da UE de vez.

pertinaz 21.04.2017

AO CONTRÁRIO DO SUGERIDO POR OUTROS COMENTÁRIOS A ALEMANHA NÃO PERDE COM O BREXIT !

A ALEMANHA VAI GANHAR PODER E O CENTRO FINANCEIRO DE LONDRES COM O BREXIT

DITO ISTO, A ALEMANHA NÃO PRECISA DE FRETES DOS HOLANDESES OU FINLANDESES

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub