União Europeia Londres quer período de transição "limitado" após saída da União Europeia

Londres quer período de transição "limitado" após saída da União Europeia

O Reino Unido precisará de um período de transição "limitado" entre a saída da União Europeia e a introdução de um novo acordo comercial bilateral para adaptar a sua economia ao Brexit, defenderam este domingo dois ministros britânicos.
Londres quer período de transição "limitado" após saída da União Europeia
Reuters
Lusa 13 de agosto de 2017 às 14:25

A mensagem é transmitida num texto conjunto dos ministros da Economia e do Comércio Internacional, Philip Hammond e Liam Fox, respectivamente, divulgado hoje no jornal Sunday Telegraph, onde insistem que a saída do país da UE é irreversível.

 

"Queremos que a nossa economia se mantenha forte e dinâmica durante este período de mudança. Isso significa que as empresas devem poder estar seguras de que não se encontrarão à ‘beira do precipício’ quando deixarmos a UE daqui a apenas 20 meses", escreveram Hammond e Fox.

 

"É por isso que pensamos que um período de transição limitado será importante para promover os nossos interesses e dar mais segurança às empresas", adiantaram, considerando, no entanto, que ele "não pode ser indefinido, não pode ser uma porta das traseiras para ficar na UE".

 

Hammond e Fox insistiram que Londres abandonará o mercado único e a união aduaneira logo que estejam concluídas as negociações com Bruxelas sobre o Brexit, o que está previsto para 29 de Março de 2019. Seguir-se-ia a fase de transição "limitada".

 

O texto de Hammond e Fox é interpretado como uma mostra de unidade do Governo britânico, depois de os dois ministros terem mantido posições diferentes, com o primeiro a preferir um Brexit significativamente mais suave do que o segundo.

 

O Governo da primeira-ministra conservadora britânica, Theresa May, apresentará esta semana uma série de documentos com a posição do país a apresentar na próxima ronda de negociações sobre o Brexit no final do mês.

 

As negociações sobre o Brexit iniciaram-se em Junho com três questões fundamentais: os direitos futuros dos cidadãos europeus que vivem no Reino Unido, o regulamento financeiro do divórcio e a questão da fronteira irlandesa.

 

Resolver a situação da fronteira entre a nação da Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, e a República da Irlanda é essencial para o futuro da economia da ilha e do processo de paz.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub