União Europeia Portugueses sentem-se europeus, mas sabem pouco sobre direitos e deveres

Portugueses sentem-se europeus, mas sabem pouco sobre direitos e deveres

A maioria dos portugueses sentem-se cidadãos europeus, mas revelam pouco interesse sobre direitos e deveres, denotando "certa pobreza" na forma de viver a cidadania e dificuldade no usufruto das suas vantagens, defendeu esta quinta-feira uma investigadora.
Lusa 05 de setembro de 2013 às 09:08

"Os portugueses de facto sentem-se cidadãos europeus, embora um bocadinho abaixo da média europeia, mas acima dos 50%, ou seja, a maioria diz que se sente cidadão europeu", mas estão entre aqueles que dizem ter menos informação sobre o assunto, que direitos comporta e que a deveres obriga, disse Marina Costa Lobo, comissária do 2.º Encontro Presente no Futuro, organizado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

 

A iniciativa realiza-se a 13 e 14 de Setembro, em Lisboa, com o tema "Portugal Europeu. E agora?" e vai debater o futuro de Portugal na Europa com quase 100 especialistas, nacionais e estrangeiros, disponíveis para partilhar conhecimentos acerca do sentimento europeu entre os portugueses, na política, economia, religião ou cultura.

 

Além de analisar as atitudes dos cidadãos perante a União Europeia (UE), os participantes, distribuídos por várias sessões, vão debater questões como a crise económica no espaço euro e as suas consequências entre os habitantes dos Estados membros, do sul e do norte, e para a própria organização do futuro da Europa.

 

Marina Costa Lobo, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, disse à agência que, em Portugal, o sentimento de ser cidadão europeu "é mais frequente entre os quadros superiores, estudantes, pessoas com maiores rendimentos, [com] 60% ou 70%, ou seja, médias muito elevadas". 

 

No entanto, "esse sentimento não tem por trás informação ou usufruto verdadeiro dos direitos de cidadania europeus, o que é interessante e revelador de certa pobreza da forma como se vive a cidadania europeia", salientou.

 

Na Roménia, membro recente da UE, "somente pouco mais de 30% dizem saber o que é ser cidadão europeu", mas, "curiosamente", enquanto mais de 70% dos cidadãos romenos gostava de ter acesso a mais dados, em Portugal "só 30% diz gostaria de ter mais informação", exemplifica a investigadora, com base nos dados do Eurobarómetro realizado pela Comissão Europeia analisados pelo ICS.

 

"Não sabemos, mas também não queremos saber", resumiu.

 

Marina Costa Lobo disse que "os portugueses são dos povos que menos usufruem dos direitos de cidadania e, por exemplo, somente 20% viajaram para outro país da UE contra 41% em média nos outros Estados membros".

 

Também na leitura de jornais ou sites europeus, Portugal está abaixo de metade da média europeia, o que pode dever-se a razões económicas, mas "cria um ciclo vicioso, pois a falta de recursos gera alguma falta de interesse e a falta de interesse origina pouca informação sobre direitos de que se podia usufruir".

 

A especialista em assuntos europeus disse ainda que "o agravamento das condicionantes económicas também empurra as pessoas para a emigração e de certa forma há uma aprendizagem da cidadania europeia à força".

 

"O facto de estarmos numa crise económica e estarmos dentro do euro desperta as pessoas para a UE" até porque se fala mais do assunto e há mais tomada de consciência de quanto tem impacto nas vidas dos cidadãos, acrescentou.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Manolo Há 2 semanas

Quando a europa fica à distancia de uma simples viagem de automóvel, a distancia é directamente proporcional ao preço da gasolina e dos recursos disponiveis de cada um. É perfeitamente natural que sómente os mais abastados se sintam plenamente europeus; Os menos abastados fazem um verdadeiro esforço para empreender a viagem da sua vida, quando desprezados pelo seu próprio pais procuram emprego lá fora.

comentários mais recentes
Manuel Ferreira Há 2 semanas

Como? eu não me sinto europeu..... mas sim africano (negro)!.

Gunga Nhira Há 2 semanas

Não sei que credibilidade tem esta VOSSA sondagem !
Pela minha parte e pela parte de milhões de PORTUGUESES, essa afirmação de que a maioria dos PORTUGAS se sentem EUROPEUS, é pura conversa do Xáxa ! A Europa sempre nos maltratou, e agora aparecem alguns parvos a dizer que nos sentimos Europeus maioritàriamente, só porque gostamos de ser expoliados e ofendidos ! - BARDA-SCHEITZA ! Eu sou PORTUGA e não tenho nada a ver com esta criação GERMÂNICA e neo-NAZI a que chamam EUROPA UNIDA !
O.K. ?

Carlos Alberto Ferreira Há 2 semanas

mas sabem do benfica e do sport e eles nao

Fididido Há 2 semanas

COMO CONVÉM! NÉ? (Já Salazar dizia; que a melhor maneira de dominar um Povo, era, não lhe dar cultura).

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub