União Europeia Tony Blair apela aos britânicos que travem o Brexit, uma "corrida para o precipício"

Tony Blair apela aos britânicos que travem o Brexit, uma "corrida para o precipício"

O antigo primeiro-ministro acusa o governo de May de querer o Brexit "a qualquer custo" e diz que os eleitores votaram a favor sem conhecer os termos da saída.
Tony Blair apela aos britânicos que travem o Brexit, uma "corrida para o precipício"
Rita Faria 17 de fevereiro de 2017 às 13:27

O antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair insinuou-se contra o chamado "hard Brexit" esta sexta-feira, 17 de Fevereiro, num discurso duro em que apelou aos eleitores, empresas e activistas que se "ergam" e apoiem um esforço coordenado para suavizar os termos da saída do Reino Unido da União Europeia ou mesmo travá-la.

 

"O povo votou sem ter conhecimento dos termos do Brexit. À medida que esses termos se tornam claros, é seu direito mudar de ideias. A nossa missão é persuadi-los a fazerem-no", afirmou o antigo chefe do Executivo, na sua primeira grande intervenção política desde que os eleitores britânicos votaram a favor da saída do país do bloco regional.

 

Blair sublinhou que este "não é tempo de retiradas, indiferença ou desespero, mas sim de nos levantarmos em defesa daquilo em que acreditamos".

 

As palavras do ex-governante surgem numa altura em que o decreto que investirá Theresa May do "poder" de invocar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa está à espera de ser debatido e aprovado pela Câmara dos Lordes, após ter recebido luz verde da Câmara dos Comuns no passado dia 8 de Fevereiro.

 

Segundo avançou ontem a Bloomberg, citando duas fontes do Governo envolvidas nas negociações do Brexit, Theresa May pretende invocar o artigo o mais próximo possível da cimeira europeia que terá lugar nos dias 9 e 10 de Março.

 

"O caminho pelo qual estamos a ir não é apenas o ‘hard Brexit’. É o Brexit a qualquer custo. O nosso desafio é expormos incansavelmente que custo é esse … e construir apoio para sairmos desta corrida em direcção ao precipício", apontou Blair.

 

O discurso do antigo líder do Partido Trabalhista despertou imediatamente reacções, incluindo de Nigel Farage e Boris Johnson.

 

"Blair é o homem do passado", disse Nigel Farage, antigo líder do UKIP. "Ele parece pensar que nós vamos mudar de ideias. Ele claramente não entendeu que, se o referendo fosse realizado amanhã, a margem seria pelo menos três vezes maior".

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, que fez campanha pelo Brexit, acrescentou: "Eu apelo ao povo britânico que se levante e desligue a televisão na próxima vez que Blair aparecer".

 

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.02.2017

Os globalistas a soldo do Soros não desarmam. Querem uma legião de escravos global e movimentar o dinheiro que roubado para onde quiserem!

Anónimo 18.02.2017

Este senhor Blair deveria estar a ser julgado no tribunal penal internacional por crimes contra a humanidade juntamente com o Sr. Bush, uma vez que das suas infundadas afirmações resultaram milhares de mortes e a invasão de um País soberano que efectivamente não tinha armas de destruição massivas, d

David 17.02.2017

Um gajo que começou uma guerra, sabendo que os motivos que pintou ao povo eram falsos, vem agora falar do Brexit? E o presidente americano era o P entelheira, não o Obama.

Luis 17.02.2017

O que esconderam aos britânicos para que eles votassem na sua sepultura?......

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub