União Europeia Varoufakis acredita que “Brexit” pode conduzir ao fim da União Europeia

Varoufakis acredita que “Brexit” pode conduzir ao fim da União Europeia

Yanis Varoufakis, que vai ser conselheiro do Partido Trabalhista, defende que os britânicos devem ficar na União Europeia e provocar a mudança a partir de dentro. O ex-ministro das Finanças grego acrescenta que é “irrealista” sair do bloco europeu sem abandonar o mercado único.
Varoufakis acredita que “Brexit” pode conduzir ao fim da União Europeia
Reuters
Inês F. Alves 29 de fevereiro de 2016 às 10:15

No seu blog pessoal, Yanis Varoufakis, ex-ministro das Finanças grego, escreve que "um 'Brexit' iria, inexoravelmente, causar rupturas na União Europeia que conduziriam ao desmantelamento efectivo da União". No seu entendimento, o Reino Unido só deve sair se "estiver preparado para abandonar também o mercado único, com um plano credível para reconfigurar a sua economia".

Segundo Varoufakis, há duas razões para que a "irracionalidade e o autoritarismo da União Europeia não reforcem o argumento em favor do Leave [nome da campanha a favor do 'Brexit']", nomeadamente, o facto de "a soberania não poder ser reclamada enquanto [o país] se mantiver no mercado único" e, depois, "o facto de um 'Brexit' tornar mais rápida e quase certa a fragmentação da UE", algo a que o Reino Unido não ficaria imune.

"O mercado único não é o mesmo que uma área de livre comércio onde não há tarifas ou quotas. Também envolve três elementos cruciais: 'standards' industriais comuns, leis de protecção do trabalho comuns, e leis de protecção ambiental comuns", explica o ex-responsável grego.

"Nenhuma noção é mais fantasiosa do que a ideia de que a soberania democrática britânica pode ser reclamada através de um 'Brexit' enquanto o Reino Unido se mantiver no mercado único", acrescenta.

Varoufakis acredita que "a UE se está a desintegrar à medida que falamos", e que um Brexit causaria uma ruptura "mais rápida e quase cerca", que "consumiria" também o Reino Unido "no vortex provocado pelo barco da UE a afundar".

O Reino Unido sentiria o impacto ao nível das exportações e, do ponto de vista político, iria nascer uma "Europa inimiga dos valores que os democratas britânicos estimam, e hostil a uma Grã-Bretanha democrática".

Assim sendo, ao votar para sair do bloco europeu, os britânicos estariam a "devastar o ambiente em que um recém Reino Unido emancipado precisaria de trabalhar e viver", defende.

Neste sentido, Varoufakis acredita que a mudança pode acontecer de dentro para fora e salienta que "o Reino Unido não é a Grécia", é antes "um país poderoso com capacidades únicas, dada a sua longa tradição democrática (que é respeitada pelos dois lados da política britânica), para confrontar os processos decisórios antidemocráticos da União Europeia".

O ex-ministro apela aos britânicos que não optem pela via "preguiçosa" de sair, mas que "fiquem e trabalhem" no sentido de "democratizar a União Europeia".

A publicação no blog do ex-responsável grego este domingo antecede a notícia avançada pela imprensa britânica, e citada pela Reuters, de que Varoufakis vai ser conselheiro do Partido Trabalhista britânico.

Jeremy Corbyn, líder do partido desde 2015, disse que Varoufakis vai aconselhar a formação política "até certo ponto", dada a sua experiência de negociações enquanto ministro das Finanças grego.

"Varoufakis é interessante, porque ele esteve obviamente em todas as negociações [com o Banco Central Europeu, a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional]", disse Corbyn ao Islington Tribune.

"Eu percebo que não estamos na Zona Euro, mas é uma questão de entendermos como desafiamos a noção de que pode se pode ‘cortar’ no caminho para a prosperidade, quando na verdade tens de crescer no rumo à prosperidade", disse, acrescentando que considera a forma como a Grécia tem sido tratada "terrível".

Corbyn vai fazer campanha a favor da permanência do país na União Europeia no referendo deste ano, argumentando ser um Estado-membro é a melhor maneira de melhorar as leis de protecção social e de emprego.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos 29.02.2016

Deve ser a única coisa que acertas-te na vida inteira!! Mais um que usou o PODER para promover a sua carreira pessoal..Só as coordenadas GPS é que mudam, por lá e cá a porcaria é a mesma..

comentários mais recentes
Anónimo 29.05.2016

Sim a Grecia e' o pais membro que mais tem contribuido para o fim da UE; gracas ao Virafakas e o Tripas do CYRISA

Maria Valentina Umer 29.02.2016

Este tipo é o típico careerista. Está pronto a vender as suas palestras pelos países de periferia (inclusivamente na Universidade de Coimbra), para se profilar na UE, desde que falhou fatalmente na tal. È um playboy! Que ninguem deh ouvido a este tipo. Universidade de Coimbra?

Maria Valentina Umer 29.02.2016

Este tipo nao tem credibilidade nenhuma! Se fosse tao capável como se dá nas suas palestras, teria salvado a sua Grécia já há muito tempo. O mundo nao precisa de caviar-esquerdistas como ele. Mas sim de politicos bem intencionados e com experiencia provada.

telmo 29.02.2016

Isso não faz sentido. A saída da Inglaterra é o melhor para a Europa

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub