Zona Euro Economia da Zona Euro acelera para máximo de seis anos

Economia da Zona Euro acelera para máximo de seis anos

O abrandamento do crescimento na Alemanha está a ser compensado pela expansão mais forte noutras economias, com destaque para a França, onde a actividade económica está a crescer ao ritmo mais forte desde Maio de 2011.
Economia da Zona Euro acelera para máximo de seis anos
Nuno Carregueiro 21 de abril de 2017 às 09:57

O ritmo de crescimento da economia da Zona Euro voltou a aumentar em Abril, alcançando máximos de seis anos (72 meses), de acordo com a estimativa preliminar dos gestores de compras da Markit Economics, divulgado esta sexta-feira, 21 de Abril.

 

O índice PMI, que agrega dados dos serviços e da indústria, subiu de 56,4 em Março para 56,7 em Abril. A evolução superou as estimativas dos economistas, que esperavam a manutenção do indicador em 56,4.

 

De acordo com a Markit, a criação de emprego na região alcançou um máximo de quase 10 anos, sinalizando que a recuperação da economia europeia está a ganhar força e é sustentável.

 

De acordo com a Markit, o abrandamento do crescimento na Alemanha está a ser compensado pela expansão mais forte noutras economias, com destaque para a França, onde a actividade económica está a crescer ao ritmo mais forte desde Maio de 2011.   

 

A Markit salienta que mesmo na Alemanha o ritmo de crescimento está próximo de máximos de seis anos, enquanto nos restantes países está no nível mais elevado desde Julho de 2007.

 

"A Zona Euro registou um forte arranque de segundo trimestre. O indicador PMI está em linha com um crescimento do PIB de 0,7%, acima dos 0,6% do primeiro trimestre. Um crescimento desta dimensão, se for sustentável, vai resultar numa revisão em alta das estimativas dos economistas para o PIB de 2017", Chris Williamson, Chief Business Economist da IHS Markit.

 

Ainda esta semana o FMI reviu em ligeira alta a previsão para a evolução do PIB da Zona Euro neste ano (1,7%, mais uma décima) tendo mantido inalterada em 1,6% a relativa a 2018. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Foi o Centeno. Ponham o tipo já no Eurogrupo.

Anónimo Há 1 semana

Portugal, qual Cuba, Venezuela ou Coreia do Norte no mundo, é o último enclave Marxista na UE. Uma vergonha e uma lástima com penosos custos para o desenvolvimento sustentável da sua economia e o avanço da sua sociedade.

Conselheiro de Trump Há 1 semana

NAo fazendo a Franca como nos,crescer a base do consumo interno,e de aplaudir por duas razoes:por esta atraz mencionada e por crescer nos dias grandes:nao precisa de ser acompanhada a luz da LAMPARINA.

pub
pub
pub
pub