Zona Euro Excedente comercial alemão ajuda país a enfrentar envelhecimento da população, afirma membro do Bundesbank

Excedente comercial alemão ajuda país a enfrentar envelhecimento da população, afirma membro do Bundesbank

O excedente comercial alemão, sobre o qual Bruxelas iniciou uma investigação em meados de Novembro, ajuda a Alemanha a enfrentar os desafios colocados ao país pelo envelhecimento da população, defendeu esta sexta-feira um membro do banco central alemão.
Excedente comercial alemão ajuda país a enfrentar envelhecimento da população, afirma membro do Bundesbank
Lusa 22 de novembro de 2013 às 13:36

"O actual excedente da balança comercial alemã não é o resultado de uma política distinta ou de um plano económico. É pelo contrário e sobretudo o resultado de um procedimento de mercado que reflecte os investimentos e as decisões de poupança de milhões de agentes económicos”, afirmou Andreas Dombret, membro da direcção do Bundesbank, durante um congresso de banca em Frankfurt.

 

"Para os países como a Alemanha, um excedente comercial ajuda a absorver as cargas futuras que decorrem da evolução da demografia do país", adiantou.

 

Uma década de um número fraco de nascimentos na Alemanha e uma taxa de fecundidade, que se estabilizou em cerca de 1,4 filhos por mulher, muito longe do limite necessário para estabilizar a população (2,1 filhos por mulher), mantêm o país no caminho do declínio demográfico, com o envelhecimento dos seus cidadãos.

 

"Neste sentido, o excedente comercial não prejudica a economia, mas é um trunfo económico", considerou o membro do Bundesbank.  

 

Dombret adiantou que "nem os países da União monetária europeia nem a União monetária em conjunto melhorariam se a Alemanha fosse enfraquecida artificialmente".

 

Estas declarações surgem depois da Comissão Europeia (CE) ter anunciado em meados de Novembro a abertura de um inquérito aprofundado sobre os excedentes das contas correntes alemãs, que ultrapassaram sistematicamente nos últimos anos o limite fixado por Bruxelas, de 6% do produto interno bruto (PIB), em média em três anos.

 

A decisão de Bruxelas surgiu duas semanas depois de uma forte critica dirigida ao modelo alemão pelo Tesouro norte-americano, que considerou a procura "anémica" e excedentes alemães nefastos para a Europa e para a economia mundial.

 

A Alemanha, campeã das exportações, regista excedentes da balança comercial e também excedentes das outras trocas com o estrangeiro, enquanto os parceiros europeus enfrentam enormes défices. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 8 horas

Se não percebe, eu explico. Eu não sou bom jogador de futebol mas se partirem uma perna ao Cristiano Ronaldo, eu sou capaz de jogar tanto quanto ele. Existem duas maneiras de atingirmos os números dos alemães, uma é melhorar os nossos outra é piorar os deles. A primeira dá trabalho a segunda não dá. A formiga opta pela primeira opção a cigarra opta pela segunda. Você é o quê? formiga ou cigarra?

comentários mais recentes
Manuel Há 6 horas

Estou impressionadissimo com os comentarios deste artigo!

Devolvem-me o gosto de ser Portugues :)!

Pensava que estava "sozinho" nesta batalha de dizer que o problema é nosso e não dos Alemães e afinal não tenho de enfrentar isto sozinho :) :) :)

Cumprimentos aos comentadores de 14:20 e 14:38!!!
Paula de 13:55, espero que tenha percebido que o problema está em nós, não neles.

Aliás como sempre nós apenas temos o poder de alterar a maneira como NÓS agimos, não os outros. O máximo que podemos e devemos fazer é: "se não gostarmos dos outros, cortamos relações com eles". Mas só temos a ganhar com a Alemanha do nosso lado. Por exemplo, aprender com o exemplo deles.

Concentremo-nos na nossa justiça lenta, corrupcao, PPP, saude, educacao, defesa, etc e não nos percamos em debates inúteis e injustos sobre os outros países.

Abraço,
M

Anónimo Há 7 horas

O Paula dá para ver que percebes muito de economia quer dizer quem poupa ,exporta e faz bem o trabalho de casa pune-se, quem desbarata o dinheiro e entra em bancarrota deve ser amnistiado, não há dúvidas os tugas, são bons é no futebol e nos bitaites, vai ler uns manuais de economia para não dizeres disparates.

Paulo de Sousa Há 7 horas

Claro que sim. ajuda a Alemanda e desajuda os outros todos, como a própria Alemanha um dia vai aprender às próprias custas.

Paula Há 8 horas

Esta Europa é uma farsa, uns têm que ser castigados por violarem as leis europeias e outros podem violá-las à vontade que têm razões para isso. Não compreendo é como perante tudo o que se passa ainda há portugueses a defenderam esta política, não percebem que isto que estão a fazer vai tocar a todos!!!!

pub