Zona Euro Macron pede aos governos locais poupança de 13 mil milhões de euros

Macron pede aos governos locais poupança de 13 mil milhões de euros

O presidente francês vai pedir às autarquias que contribuam para o esforço nacional de redução do défice com poupanças de 13 mil milhões até 2022.
Macron pede aos governos locais poupança de 13 mil milhões de euros
Reuters
Rita Faria 17 de julho de 2017 às 18:54

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou esta segunda-feira, 17 de Julho, que o Estado vai pedir aos governos locais poupanças na ordem dos 13 mil milhões de euros até 2022 para ajudar a reduzir o défice.

"É uma poupança maior do que planeávamos, mas representa a parte dos governos locais na despesa pública", afirmou o presidente num discurso em Paris, citado pela Bloomberg. "Em França, a despesa pública é muito elevada, tal como os impostos".

Macron pede assim às autarquias que contribuam para o esforço nacional de redução do défice, que deverá ser superior ao esperado em 2017, e sem sinais de desaceleração.

Em Maio, a Comissão Europeia avisou que França deverá falhar o objectivo de baixar o défice para menos de 3% do PIB este ano, e que, sem uma alteração das políticas, o défice deverá fixar-se em 3,2% em 2018.

Macron, que venceu as eleições em Maio com a promessa de cortar o défice, e reformar o mercado laboral e o sistema de pensões, prepara-se agora para anunciar uma estratégia orçamental plurianual e mudanças na lei laboral até ao final de Setembro.

FMI apoia esforços de Macron

A sua estratégia para reformar o mercado de trabalho e para cortar o défice mereceu o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI), que a considera "ousada e abrangente".

"Consideramos que é o momento certo para um pacote de reformas tão ousado e abrangente", afirmou Christian Mumssen, chefe da missão do FMI, que se reuniu com membros do Governo francês, incluindo o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, e alguns empresários do país nas últimas semanas. "Ficámos bastante impressionados com a nova energia e o optimismo".

Segundo a Bloomberg, embora o apoio do FMI a uma agenda de reformas tão profunda não seja surpreendente, os elogios tecidos não têm precedentes para qualquer governo francês nos últimos anos.

"A ênfase do governo na redução dos gastos públicos é apropriada, e não só é necessária para reduzir gradualmente o défice e a dívida pública, como também cria espaço para um alívio dos impostos", acrescentou Mumssen. O programa de Macron é "ambicioso, abrangente e equilibrado", podendo representar um bom progresso na capacidade do país de enfrentar os desafios económicos de longo prazo, de "elevado desemprego e desequilíbrios orçamentais".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

Portugal precisa de governos capazes de fazer o que Macron promete fazer ("Ingressaremos gradualmente numa época em que ter um emprego vitalício baseado em tarefas que não são justificadas será cada vez menos sustentável - na verdade já estamos lá." - Emmanuel Macron) e Schäuble afirma que Schröder já fez na Alemanha ("Alemanha e a França estavam praticamente ao mesmo nível em termos de performance económica em 2003, antes de o antigo chanceler Gerhard Schröder ter implementado uma reforma na área laboral." - Wolfgang Schäuble).

comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

Não se entendem as causas da crise e a necessária transformação evolutiva da economia sem perceber isto: "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Anónimo Há 5 dias

Portugal precisa de governos capazes de fazer o que Macron promete fazer ("Ingressaremos gradualmente numa época em que ter um emprego vitalício baseado em tarefas que não são justificadas será cada vez menos sustentável - na verdade já estamos lá." - Emmanuel Macron) e Schäuble afirma que Schröder já fez na Alemanha ("Alemanha e a França estavam praticamente ao mesmo nível em termos de performance económica em 2003, antes de o antigo chanceler Gerhard Schröder ter implementado uma reforma na área laboral." - Wolfgang Schäuble).

pub