Zona Euro Rehn admite que chegou a hora da União Europeia abrandar o "ritmo de consolidação"

Rehn admite que chegou a hora da União Europeia abrandar o "ritmo de consolidação"

O Comissário Europeu para os Assuntos Económicos acredita que a recuperação económica da União Europeia está em marcha. E defende que chegou o momento dos Estados-membros apostarem no investimento e na criação de emprego.
Rehn admite que chegou a hora da União Europeia abrandar o "ritmo de consolidação"
Bloomberg
Ana Luísa Marques 21 de novembro de 2013 às 08:07

"A Europa pode dar-se ao luxo de abrandar o ritmo de consolidação orçamental", afirmou Olli Rehn, Comissário Europeu para os Assuntos Económicos, no Parlamento Europeu.

 

Para o responsável, a recuperação económica da região está em marcha, tendo chegado a hora dos Estados-membros apostarem no investimento e na criação de emprego. "Entrámos numa fase de recuperação e os Estados-membros estão, gradualmente, a reduzir os desequilíbrios acumulados antes da crise", afirmou Olli Rehn, defendendo que a atenção dos Governos deve agora virar-se para o "reforço da recuperação" económica.

 

No entender do Comissário Europeu, está a ter lugar na Europa - e em particular em Portugal, Espanha e Irlanda - um reequilíbrio económico suportado pelas exportações.

 

Com a recuperação económica em marcha, Olli Rehn considera que chegou o momento de combater o desemprego e as consequências sociais da crise económica e financeira.

 

A ideia de que o pior já passou para a economia europeia foi também defendida pelo presidente da Comissão Europeia. Durão Barroso afirmou esta quarta-feira, 21 de Novembro, que o crescimento económico na Zona Euro "foi pequeno" mas a recessão "ficou para trás". 

 

Os mais recentes dados do Eurostat, divulgados a 14 de Novembro, mostram que o PIB dos 17 Estados-membros cresceu 0,1% no terceiro trimestre do ano, face aos três meses anteriores. No segundo trimestre, o PIB tinha registado um crescimento em cadeia de 0,3%.

 

Quanto à Europa a 28, os dados mostram que a economia 0,2% no terceiro trimestre, após uma expansão de 0,3% no três meses anteriores.

 

Em termos homólogos, a economia da Zona Euro registou uma contracção de 0,4% no terceiro trimestres e a da União Europeia caiu 0,1%.   

 

(Notícia actualizada às 09h01) 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado paulo 21.11.2013

Pois, as eleições europeias estão a chegar, e vocês não querem partidos radicais no parlamento europeu, não é? Pois, para mim acho que chegam tarde de mais..... DA MINHA PARTE, SÓ ESTOU Á ESPERA QUE APAREÇA UM POR CÁ! PELOS MENOS JÁ PODE CONTAR COM O MEU VOTO! (desculpem o caps, mas a revolta é muita).

comentários mais recentes
Anónimo 21.11.2013

Deus fala, mas o cabeça de mola vai ouvir ? fiquei sós nós somos pobres e não é um incompetente qualquer que vai dizer ao contrário esta canalha está a preparar o futuro deles e reparem : um o rei gaspar já ajudou a destruir isto já tem tacho, resta saber até quando ? e outros virão, aqueles que estudaram com o dinheiro desviado do BPN e que estou a pagar, e os meus filhos ? vou ficar calado ? NÂO !

APRNS 21.11.2013

Enquanto o Olli Rehn diz estas frases redondas de políticos vendedores de banha da cobra (como o Durão Barroso, o Passos Coelho ou o Paulo Portas) o jornaldenegocios também publica um estudo que mostra uma realidade bem diferente.
Cada vez mais está certa a frase dos "gato fedorento"
Eles falam falam, mas não dizem nada!
O “World Economic Survey” da Câmara do Comércio Internacional (ICC) e do Instituto germânico Ifo, publicado esta quarta-feira, 20 de Novembro, sustenta que a “confiança na zona do euro cresceu significativamente, embora a recuperação económica esteja atrasada em relação a outras regiões do mundo”.
O documento – que resulta de um inquérito feito a mais de 1.000 economistas em 120 países - aponta ainda que “o fosso é cada vez maior entre as economias do norte e sul e, embora a situação económica tenha melhorado no geral, continua a ser desfavorável”.

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/conjuntura/detalhe/world_economic_survey_recuperacao_da_zona_euro_esta_atrasada_e_fosso_entre_economias_e_cada_vez_maior.html

Anónimo 21.11.2013

Estes neoliberais destruíram o euro, nunca mais a união europeia, que se revelou cada um por si, será vista de forma positiva, onde os mais fortes exploram os pontos mais fracos dos outros para extrair riqueza para os seus povos, sem se preocuparem com consequências e como tal, a maior parte dos países estão apenas na moeda euro, porque as possíveis saídas são de origem nubelosas...

para alguns 21.11.2013

Chegou a hora para os que já equilibraram as contas. Para os outros, não.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub