Zona Euro Schäuble: Portugal e Irlanda são "a melhor prova" de que os programas funcionam

Schäuble: Portugal e Irlanda são "a melhor prova" de que os programas funcionam

"Se olharmos para o último relatório da OCDE" sobre quais os países que melhores resultados registaram ao nível de reformas estruturais, constata-se que "foram os países sob programa", referiu o ministro alemão das Finanças.
Schäuble: Portugal e Irlanda são "a melhor prova" de que os programas funcionam
Bloomberg
Lusa 18 de fevereiro de 2015 às 18:53

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, disse nesta quarta-feira, em Berlim, que, a par da Irlanda, "Portugal é a melhor prova" de que os programas de ajustamento funcionam, quando há "tanta discussão" sobre a eficácia dos ajustamentos associados à assistência financeira.

 

Falando numa conferência sobre a crise na União Europeia e em Portugal, na qual participa também a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, Schäuble disse, sem se referir à Grécia, que Portugal, em conjunto com a Irlanda, é "a melhor prova" de que os programas funcionam, "e de forma mais eficaz do que muitos esperariam há quatro anos".

 

"Se olharmos para o último relatório da OCDE" sobre quais os países que melhores resultados registaram ao nível de reformas estruturais, constata-se que "foram os países sob programa", apontou Schäuble.

 

Schäuble e Maria Luís Albuquerque são os dois oradores de uma conferência sobre a crise económica que decorre esta quarta-feira em Berlim, realizada pela Fundação Bertelsmann, em conjunto com a embaixada de Portugal na Alemanha, sendo o debate centrado em como "reequilibrar e ultrapassar os impactos da crise na UE e em Portugal".

 


A sua opinião64
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.02.2015

As medidas de austeridade nos países falidos da Europa do Sul prendem-se com os elevados níveis de corrupção e despesismo, a má despesa pública e a baixo nível de produtividade, inovação, empreendedorismo exportável de elevado valor acrescentado não subsidiado e não protegido que flagelam as suas economias e desgraçam orçamento após orçamento a sustentabilidade da coisa pública. As crises na Europa e América do Norte foram de outra ordem e à data de 2007-08 já tinham em si contidas muito pouco de estrutural. Estas economias cronicamente resgatadas e manifestamente insustentáveis como as de Portugal, Grécia e Sul de Itália, não só têm baixa produtividade e são pouco competitivas no contexto global, como ainda são antros de má despesa pública por via da incompetência governativa e administrativa, do eleitoralismo irresponsável, dos interesses corporativos perniciosos (das empresas ou firmas anti-mercado do regime que capturam o Estado ou beneficiam com super-burocracias arcaicas e totalmente desnecessárias até aos sindicalistas radicais e neoluditas) e da corrupção generalizada.

comentários mais recentes
AAAA 19.02.2015

PARA MARIA UMER: NÃO ESTÁ A VER THE WHOLE PICTURE. QUEM COLOCOU PORTUGAL NA SITUAÇÃO ACTUAL FORAM OS SUCESSIVOS GOVERNOS DE CORRUPTOS DURANTE MAIS DE 40 ANOS. NÃO FOI A MAIORIA DO POVO, QUE NADA TEVE A VER COM AS NEGOCIATAS LESIVAS. E É ESSE É QUE ESTÁ A PAGAR. E OS ALEMÃES NÃO PERCEBEM ISSO.

Anónimo 19.02.2015

ESTES ESPERTOS A BATER NA TECLA DA AUSTERIDADE COMO SOLUÇÃO DE TODOS OS NOSSOS PROBLEMAS!!!
TEORIA DO BURRO DO SR. MANUEL (PARA QUEM CONHECE)
POR CÁ TEMOS OS "SIDE-CAR" A AJUDAR À NOSSA RUINA SEM PERCEBEREM O QUE ESTÁ EM JOGO...
PERDÕE-LHES SENHOR PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM...

Maria Valentina Umer 19.02.2015

Claro que a austeridade criou muita amargura para Portugal. Mas os seu desgoverno foi o responsável por tal. Também um povo que se mostrou desmedido em compras de produtos de luxo Alemaes nos anos 80-90. Viveram à grande sem fazerem contas, e donde vem o dinheiro.

Anónimo 19.02.2015

Cada vez gosto menos dos alemães, defendo o escudo novamente para Portugal ter novamente a sua independência . somos insultados por esta gente que se acha normal ao andarem a enganar. Só os idiotas dos neoliberais, que se venderam,concordam com esta gente.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub