Zona Euro Varoufakis: Recompra de obrigações da Grécia ao BCE facilitaria acesso aos mercados

Varoufakis: Recompra de obrigações da Grécia ao BCE facilitaria acesso aos mercados

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, defendeu este sábado que Atenas deveria voltar a comprar as obrigações gregas detidas pelo Banco Central Europeu (BCE), porque isso facilitaria o regresso do país aos mercados.
Varoufakis: Recompra de obrigações da Grécia ao BCE facilitaria acesso aos mercados
Lusa 30 de maio de 2015 às 16:18

Como forma de ajudar os países mais afectados pela crise da dívida, o BCE decidiu em 2010 comprar obrigações soberanas da Grécia no valor de 27 mil milhões de euros.

 

"Estas obrigações criam um duplo problema às finanças gregas: por um lado, parte delas vence no Verão e o governo grego tem de pagar ao BCE 6,7 mil milhões de euros (em Julho e Agosto), o que cria um problema orçamental importante, por outro, o facto de o BCE deter esses títulos impede Atenas de participar no actual programa de compra de dívida soberana" lançado em Março pela instituição liderada por Mario Draghi, afirmou Varoufakis numa entrevista publicada pelo jornal Avghi.

 

Segundo o ministro, a solução para estes problemas "seria um empréstimo do Mecanismo Europeu de Estabilidade à Grécia a uma taxa de juro baixa, de 1,5%, para que o país possa reaver os títulos detidos pelo BCE, transferindo a dívida do banco para o mecanismo" e permitindo a participação do país no actual programa de compra de activos do BCE, "o que atrairia os investidores e permitiria o regresso do país aos mercados".

 

Esse regresso, "que requer também uma reestruturação da dívida pública, poderá cobrir grande parte da nossa dívida ao FMI, ou seja 19,9 mil milhões de euros, através da emissão de novas obrigações", acrescentou.

 

Os investidores mostram-se actualmente relutantes em comprar dívida grega, numa altura em que Atenas e os credores europeus (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) têm dificuldade em chegar a um acordo sobre o financiamento do país, após meses de negociações.

 

Os credores exigem reformas para que seja desbloqueada a tranche de 7,2 mil milhões de euros do empréstimo concedido em 2012, o governo grego liderado pelo Syriza (esquerda radical) diz que quer aliviar a austeridade imposta ao país nos últimos anos e recusa reformas que impliquem novos cortes.


A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado cien1 30.05.2015

Olha entao nao precisavam do BCE que iam bater em cima da mesa e a austeridade nunca mais, pois com o dinheiro dos outros e facil viver

comentários mais recentes
Anónimo 31.05.2015

O problema maior será permitir-se a criação de dividas(sabe-se lá porque) com juros tais que se torna impossível pagá-las .E assim se subjuga um povo a vontade do capital., sem que se castigue os negociadores.


Anónimo 31.05.2015

Varoufakis ainda não percebeu que os gregos já esgotaram as vidas todas deste jogo. Game Over.

Anónimo 31.05.2015

Se por acaso aqui venho ler, por limpeza daqui saio. Nada de aceitavel por aqui se escreve, nos comentarios. Ha opinioes e ha foleirada que para jornal de negocios ...(?) As agencias de Rating devem rir-se ao ler estes comentadores


Dem

VLAD TEPES 31.05.2015

A Grécia não passa de um crematório de dinheiro.
Todo o dinheiro que mandam apenas serve para queimar.
Larguem a Grécia e deixem de alimentar parasitas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub