Finanças Públicas Blanchard: Portugal não deve apressar descida do défice

Blanchard: Portugal não deve apressar descida do défice

Num "paper" apresentado esta sexta-feira em Lisboa, o antigo director do departamento de estudos do FMI, defende que até pode ser desejável que o défice orçamental aumente para financiar investimento público e reduções de crédito malparado.
Blanchard: Portugal não deve apressar descida do défice
Bloomberg
Nuno Aguiar 19 de maio de 2017 às 11:48

Dez anos depois de ter identificado os problemas estruturais da economia portuguesa, Olivier  Blanchard regressou a Portugal para avaliar a saúde da recuperação nacional. As boas notícias recentes não apagam o legado de problemas estruturais. Blanchard acha que que a prioridade não deve ser acelerar a descida o défice orçamental, mas sim estimular o crescimento, mesmo que penalizando as contas públicas.

 

Numa conferência esta manhã em Lisboa, Blanchard apresentou o seu paper, que assina com Pedro Portugal, economista do Banco de Portugal. Nele, questiona-se sobre a utilidade de fazer um ajustamento orçamental mais agressivo. "Deve a consolidação orçamental avançar a um ritmo mais rápido do que está actualmente previsto?", pergunta no paper. A resposta é não. Blanchard explica que, no passado, a austeridade pode ter sido útil para convencer os investidores da sustentabilidade da dívida pública, mas argumenta que essa já não é a realidade actual. "As circunstâncias são hoje diferentes e não justificam uma consolidação orçamental mais forte."

 

A mensagem é que o rácio de dívida vai descer lentamente de qualquer forma e que "a prioridade deve ser aumentar o crescimento", o que acabará por permitir uma descida mais rápida do rácio no horizonte de médio e longo prazo.

 

Blanchard vai ainda mais longe no seu paper e defende que até poderá fazer sentido deixar aumentar o défice. "Se consolidação orçamental mais rápida seria má, poderia justificar-se uma expansão orçamental? Acreditamos que sim, se a subida do défice for usada para estimular o crescimento potencial", escreve o economista, notando que essas políticas podem até reduzir os "spreads", em vez de os agravarem. 

 

No paper são identificadas três formas de utilizar essa expansão orçamental: investimento público, financiamento de reformas estruturais e recapitalização dos bancos para resolver o problema do malparado. Blanchard admite que as experiências passadas em Portugal podem suscitar alguma preocupação, com investimento em estradas em vez de educação, mas que a quebra do investimento público dos últimos anos indicia que se pode justificar um reforço. 

 

No que diz respeito ao sistema financeiro, resolver o malparado é essencial, mas tem de ser acompanhando de recapitalização dos bancos. Blanchard argumenta que os efeitos positivos  no crédito às empresas mais do que compensa o impacto negativo nas contas.

 

Na sua avaliação à situação portuguesa actual, o economista nota que estamos perante uma recuperação tímida, em que a economia mantém muitos dos problemas estruturais anteriores, com crescimento baixo e produtividade quase estagnada. 

 

Entre as medidas que aconselha estão mais reformas do mercado de trabalho. "Continuo a achar que a protecção do emprego está longe de ser a melhor, criou um sistema dual. Para as empresas não é tão mau, pode depender de contratos a prazo. Mas dá poucos incentivos à formação dos trabalhadores. Mas para os trabalhadores são criadas duas classes", explicou na conferência, referindo-se a distinção entre quem está no quadro e quem tem vínculos mais precários. Ainda assim, se favorece maior flexibilidade nos movimentos de trabalhadores, não aconselha o mesmo numa perspectiva mais macro, que permitisse ajustar mais facilmente salários e preços.

 

Blanchard defende também que descer as contribuições sociais dos trabalhadores menos qualificados pode ser mais desejável do que aumentar o salário mínimo. Uma subida até aos 600 euros em 2019 poderá prejudicar o emprego. 

 

Entre as iniciativas que não estão nas mãos de Portugal, ele refere também a importância que uma inflação mais elevada na Zona Euro teria para a economia portuguesa. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Blanchard: Portugal não deve apressar descida do défice

Num "paper" apresentado esta sexta-feira em Lisboa, o antigo director do departamento de estudos do FMI, defende que até pode ser desejável que o défice orçamental aumente para financiar investimento público e reduções de crédito malparado.

COM AMIGOS DESTES NÃO NECESSITAMOS DE INIMIGOS!

Anónimo Há 2 dias

2010/a/14-3,5% a 10 %.
"Para 2011 - A redução remuneratória incide, apenas, sobre as remunerações totais ilíquidas de valor mensal superior a € 1.500,00,
"O Relatório do Orçamento do Estado para 2014 (p.49-50) propunha a aplicação de "uma redução progressiva entre 2,5% e 12%, com caráter transitório, às remunerações mensais superiores a 600 euros."

"Actualização em 30 de Maio de 2014.Tribunal Constitucional chumba cortes salariais na função pública
Portanto a tabela abaixo indicada deixará de ser aplicada a partir de Junho de 2014, com os salários a serem repostos ao nível de 2010."
Portanto os cortes iniciaram-se com ps/socrates. continuaram com o psd/passos/cds/portas.
O governo psd/passos/cds/portas quis agravar os cortes de ps/socrates e o TC chumbou o que levou a que o governo passos/psd/portas/cds voltasse aos corte de ps/socrates.
Estou-me lixando para esquerdas e direitas mas vir com"Os cortes salariais de 3,5 a 10%,foram impostos (só) pelo PS de Socrates" é cretinice.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub