Finanças Públicas Brexit ameaça fundos estruturais para Portugal

Brexit ameaça fundos estruturais para Portugal

Uma das dimensões mais melindrosas da saída do Reino Unido da União Europeia é a gestão do buraco financeiro que criará no orçamento da união, que poderá cavar a distância entre contribuintes e beneficiários líquidos. Portugal é dos que recebe.
Brexit ameaça fundos estruturais para Portugal
Neil Hall/Reuters
Rui Peres Jorge 05 de abril de 2017 às 21:55
A saída do Reino Unido da União Europeia (UE) abrirá um buraco que desafiará a coesão entre os 27 Estados-membros, já que aquele país é um dos maiores contribuintes líquidos para o orçamento comunitário. Se for compensado, todos aos 27 orçamentos nacionais ficarão a perder. Mas a forma como se distribui este esforço entre países dependerá muito do tipo de resposta: mais contribuições para a UE penalizarão principalmente os que já são contribuintes líquidos, mais cortes pesarão mais sobre os beneficiários, como Portugal. A negociação poderá culminar numa solução mista entre mais contribuições nacionais e menos despesa da UE, por exemplo nos fundos estruturais que Portugal recebe.

Estas são conclusões e avisos de um estudo publicado no início do ano por dois investigadores do Instituto Jacques Delors, no qual estimam que o "buraco do Brexit no orçamento [da UE] possa ascender a cerca de 10 mil milhões de euros por ano". Jorg Haas e Eulalia Rubio lembram que as negociações entre os 27 para o quadro financeiro plurianual 2020-2026 começam já em 2018, ou seja, em plena negociação da saída do Reino Unido, e avisam que esperam "um agravamento das divisões já existentes entre os contribuintes e os beneficiários líquidos do orçamento" da UE.

Nos cenários que abordam nenhum é bom financeiramente para os 27 Estados-membros, mas o pior poderá mesmo ser a falta de acordo, pela incerteza que geraria nas decisões financeiras  para o início da próxima década, defendem em "Brexit and the EU Budget: Threat or Opportunity".

Num primeiro cenário, Jorg Haas e Eulalia Rubio admitem a compensação dos 10 mil milhões de euros por aumentos proporcionais nas contribuições nacionais. Esta solução deverá merecer resistência dos actuais contribuintes líquidos, que seriam chamados a pagar uma factura ainda maior do orçamento. Holanda, Suécia, Alemanha e Áustria veriam a sua contribuição subir entre 14% e 16,5%. Portugal estaria a meio da tabela, com um aumento de cerca de 7%, que acrescentaria perto de 100 milhões de euros aos cerca de 1,5 mil milhões de contribuição anual registada em 2015. Esta seria a forma de continuar a receber os 2,6 mil milhões de euros de transferências da UE.

Num segundo cenário, o ajustamento é todo feito pela despesa, ou seja, o orçamento da UE seria cortado em 10 mil milhões de euros. Aí os beneficiários líquidos são os principais sacrificados. Os impactos por país são difíceis de estimar, mas a magnitude do corte pode ser percebida pela comparação com algumas rubricas do orçamento da UE. 10 mil milhões é equivalente a 20% da verba destinada à Política Agrícola Comum ou a 20% dos Fundos de Coesão, à totalidade do Horizonte 2020 (o programa orçamental dedicado a investigação e inovação) juntamente com o fundo para migração e integração; ou ainda à totalidade do orçamento de defesa da UE acrescida dos gastos com o programa "defesa e cidadania".

Finalmente, num terceiro cenário, é ponderada uma solução mista, com corte de 5 mil milhões de euros na despesa, e um aumento de contribuições que penaliza mais os contribuintes líquidos. Portugal pagaria mais 38 milhões de euros.

Os autores notam que a incerteza em torno destes valores e impactos ainda é grande, mas uma coisa é já certa: as negociações sobre os efeitos orçamentais do Brexit prometem ser uma das áreas mais melindrosas a gerir entre os 27 Estados-membros que permanecem na União.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Metenojo Há 3 semanas

Vamos ver se os alemães e os holandeses aumenta um bocadinho a solidariedade aqui com os moinantes do Sul.

Anónimo Há 3 semanas

Mas o "facadas" disse com o fuso iria ser uma oportunidade para crescimento da economia da Geringonça.

Anónimo Há 3 semanas

A Europa sem Fundos e Fascista

Anónimo Há 3 semanas

São os fundos, meu Deus, são os fundos,
São os fundos que eles tanto adoravam,
Só por morte, meu Deus, só por morte
Só por morte os fundos deixavam

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub