Finanças Públicas Endividamento da economia portuguesa baixa para mínimo de oito anos

Endividamento da economia portuguesa baixa para mínimo de oito anos

O peso da dívida das famílias, empresas e Estado caiu para 367,67% do PIB no segundo trimestre deste ano. É preciso recuar a 2010 para encontrar valores mais baixos.  
Nuno Carregueiro 22 de agosto de 2018 às 11:55

O endividamento do sector não financeiro em Portugal totalizou 721,1 mil milhões de euros no final do primeiro semestre deste ano, o que representa 367,67% do PIB, anunciou hoje o Banco de Portugal.

 

Apesar de, em valor nominal, o endividamento da economia portuguesa até estar com tendência de alta (atingiu mesmo um máximo histórico em Maio), em termos de peso no PIB (que é o indicador mais relevante para medir o endividamento) a trajectória é claramente de descida.

 

O peso de 367,7% representa uma descida de dois pontos percentuais face ao registado no final do primeiro trimestre (369,7% do PIB) e de quase 14 pontos percentuais no espaço de um ano (381,6% em Junho de 2017).

 

Apesar desta descida acentuada, em valor o endividamento do sector não financeiro recuou apenas 200 milhões de euros entre Junho do ano passado e Junho deste ano. Na comparação com o final de 2017, o endividamento do sector não financeiro aumentou 5,3 mil milhões de euros, reflectindo o acréscimo do endividamento do sector público.

 

Empresas e famílias menos endividadas

É preciso recuar ao último trimestre de 2010 (quando se situou nos 365,1% do PIB) para encontrar um rácio mais baixo, e o actual nível de endividamento da economia portuguesa está já bem afastado do máximo histórico atingido no segundo trimestre de 2013 nos 427,7% do PIB.

 


A desalavancagem da economia portuguesa é transversal a todos os sectores, embora continue a ser mais forte no privado do que no público.

 

A dívida do sector público não financeiro (não é comparável com dívida pública) caiu para 162,1% em Junho, o que representa uma redução superior a 6 pontos percentuais face ao registado em Junho do ano passado (168,4%).

 

No que diz respeito ao sector privado não financeiro, a descida foi mais acentuada (quase oito pontos percentuais para 205,5% do PIB). As famílias baixaram o endividamento para 72,4% do PIB e as empresas privadas viram a dívida baixar para 133,1% do PIB.

 

No caso das famílias trata-se do endividamento mais baixo desde, pelo menos, 2017 (primeiro ano para o qual o Banco de Portugal disponibiliza dados) e está sobretudo relacionado com a descida do endividamento através de crédito à habitação (baixou para 50,5% do PIB).

 

No caso das empresas, o endividamento em percentagem do PIB também é o mais baixo desde 2007 (pelo menos).

 




Saber mais e Alertas
pub