Finanças Públicas Privados vs Estado. Como está a evoluir a dívida da economia em seis gráficos

Privados vs Estado. Como está a evoluir a dívida da economia em seis gráficos

Enquanto as empresas e famílias continuam a reduzir o endividamento, no Estado a tendência é a oposta. Veja seis gráficos que mostram as diferenças na evolução entre privado e público.
Privados vs Estado. Como está a evoluir a dívida da economia em seis gráficos
Paulo Duarte/Negócios
Nuno Carregueiro 26 de agosto de 2017 às 15:00

A evolução do valor da dívida, medida pelo peso no produto interno bruto (PIB), é a melhor forma de avaliar como está a decorrer o endividamento de uma economia e de todos os seus sectores.

 

O Banco de Portugal revela todos os meses os valores relativos ao endividamento do sector não financeiro, mas só nos dados relativos ao final de trimestre é possível ver qual o peso na economia. Foi o que aconteceu esta semana, com o banco central a publicar os dados referentes a Junho, que permitem avaliar como está a evoluir o endividamento da economia portuguesa e dos seus vários sectores.

 

As conclusões são óbvias. As empresas e as famílias estão a acelerar o processo de desalavancagem que iniciaram há vários trimestres, apresentando um nível de endividamento que é o mais baixo dos últimos 10 anos. Mas a dívida total da economia até está a subir, porque no Estado se verifica a tendência inversa, com a dívida a crescer, mesmo medida através do peso no PIB e da melhoria da economia.

 

Enquanto as empresas e famílias estão paulatinamente a reduzir a dívida, este esforço não é suficiente para anular o maior endividamento público. Uma dinâmica bem perceptível nos seis gráficos em baixo, que mostram a evolução trimestral (por sectores e agregados) desde o arranque de 2015.

 

1. Dívida das empresas baixa quase 30 pontos percentuais desde máximos 

É no sector empresarial privado que se denota uma queda mais acelerada no endividamento, que chegou ao final do segundo trimestre nos 141,7% do PIB. Trata-se do nível mais baixo desde o primeiro trimestre de 2008 e que representa uma descida de quase 30 pontos percentuais face ao máximo fixado no final de 2012, quando atingiu os 170,8% do PIB.

 

A redução dos juros por parte do BCE e a descida do risco de Portugal explicam a descida dos custos de financiamento das empresas, que também aproveitaram a melhoria económica para equilibrarem o seu balanço, que em muitos casos estava altamente alavancado.


2.Dívida das famílias em mínimos 

No caso das famílias, o endividamento registado no segundo trimestre (75,4% do PIB) é mesmo o mais baixo desde pelo menos o final de 2007, quando os dados começaram a ser recolhidos pelo Banco de Portugal.

 

Face ao máximo histórico fixado em 2009, quando o endividamento das famílias era quase igual ao valor do PIB, a queda é de mais de 20 pontos percentuais.

 

Cerca de metade redução foi obtida desde o início de 2015, com as famílias a aproveitaram da melhor maneira a descida das taxas de juro para reduzirem o endividamento, que está sobretudo concentrado no crédito à habitação.




3. Sector privado dá o exemplo 

Se o elevado endividamento da economia portuguesa é apontando com um dos principais problemas do país, as empresas privadas e os consumidores estão a conseguir manter o processo de desalavancagem pedido pela troika e muitos economistas.

 

Somadas as duas parcelas, obtemos a dívida do sector privado não financeiro, que chegou a Junho deste ano com uma dívida que corresponde a 217% do PIB. Trata-se do valor mais baixo desde o final de 2007, quando os dados começaram a ser recolhidos pelo Banco de Portugal.

 

Desde o início de 2015 a queda do endividamento das famílias e empresas é de mais de 20 pontos percentuais, sendo que quando comparado com o máximo fixado desde o início de 2013, em 264% do PIB, a descida é de quase 50 pontos percentuais.




4. Sector público mais endividado
 

No sector público a tendência é contrária, com o endividamento a situar-se perto do máximo histórico de 169,5% do PIB fixado em terceiro trimestre de 2014.

 

A dívida do sector público não financeiro – que agrupa a dívida das administrações públicas mais a das empresas públicas fora do perímetro das administrações públicas – chegou a Junho deste ano nos 168,9% do PIB, o que representa o segundo trimestre consecutivo de subidas. 




5. Economia portuguesa mais endividada mas longe de máximos
 

Somando a dívida das empresas privadas, das famílias e do sector público, obtemos a dívida do sector não financeiro, que serve para medir a dívida de toda a economia.

 

Apesar de não ser um indicador consolidado (repete dívidas entre os vários sectores) é um bom barómetro para avaliar como a economia como um todo está em termos de endividamento. À custa das famílias e das empresas, a dívida do sector não financeiro até tem vindo a descer (no segundo trimestre registou o primeiro aumento desde o segundo trimestre de 2016) estando actualmente bem longe dos máximos históricos acima de 400% do PIB fixados no passado.

 

Apesar de em valor absoluto o endividamento da economia estar em níveis recorde, quando medida através do peso na economia a redução face ao máximo histórico fixado no segundo trimestre de 2013 (427,5% do PIB) é de 40 pontos percentuais.




6. Dívida pública em alta
 

No que diz respeito à dívida pública (que está integrada nas administrações públicas), o segundo trimestre deste ano foi o segundo consecutivo de agravamento e o quinto seguido acima de 130% do PIB.

 

O registo do segundo trimestre (132,4% do PIB) é o terceiro registo mais elevado de sempre e situa-se perto do recorde de 133,1% fixado no terceiro trimestre de 2016.


A descida deste indicador é fundamental para que Portugal consiga uma subida de rating por parte das agências de notação financeira. 










A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.08.2017

"Basta" haver falências, insolvências, para que dívida privada desapareça. A dívida pública não pode diminuir nestes termos; o Estado tem que pagar. A análise que faz é simplista e demagógica: mais importante é a sustentabilidade da dívida pública.

pertinaz 27.08.2017

NÃO HÁ PROBLEMA... O SEM TINO RESOLVE... COM O NOSSO DINHEIRO...!!!

Zé Manel 27.08.2017

Não pago o meu empréstimo ao banco em percentagem do PIB, pago em EUROS. Publiquem os mesmos gráficos mas em milhões de euros para todos vermos como a dívida pública não pará de aumentar, levando Portugal para nova falência.

Judas a cagar no deserto 27.08.2017

Os Xuxxas no seu melhor.

Puutakuspariu.

ver mais comentários
pub