Finanças Públicas Rui Rio vê vantagens da nacionalização temporária do Novo Banco

Rui Rio vê vantagens da nacionalização temporária do Novo Banco

O ex-presidente da Câmara do Porto e possível candidato à liderança do PSD desalinha de Passos Coelho e vê vantagens numa nacionalização temporária do Novo Banco, explica em declarações escritos ao público.
Rui Rio vê vantagens da nacionalização temporária do Novo Banco
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 12 de janeiro de 2017 às 09:05

Rui Rio considera que uma nacionalização temporária do Novo Banco pode fazer sentido se permitir "rendibilizar o banco" e procurar que, a prazo, se possa "ter retorno de todo o capital investido e, se possível, com alguma compensação para o Estado", defende em declarações escritas enviadas ao Público.

O político social-democrata admite que uma nacionalização temporária poderá custar 750 milhões de euros para recapitalizar a instituição, ao que se poderão juntar necessidades de recapitalização futuras resultantes de eventuais imparidades por contabilizar no balanço do banco. O seu apoio a uma nacionalização temporária fica assim condicional a "saber quanto é que ela, no imediato, vai custar e se, em face disso, é possível desenhar um plano de rentabilização credível e prudente do banco".

Um plano de recuperação do banco permitiria um encaixe futuro maior que, entre as suas vantagens, inclui a possibilidade de reduzir os encargos dos bancos para com o Fundo de Resolução. No que diz respeito às regras europeias, Rui Rio aponta possíveis dificuldades, dada a natureza do banco de transição, mas dará o seu apoio a uma posição confrontacional do governo, se este for a melhor opção para Portugal: "Espero bem que, se esta for a via que melhor defende interesse nacional, a burocracia de Bruxelas não nos venha a prejudicar de forma inaceitável, tal como aconteceu recentemente com o Banif", diz ainda.

O ex-autarca mostra a sua indignação com os desenvolvimentos em torno do BES e Novo Banco em duas questões: "Como é possível que ele hoje nada valha, depois de, inclusive, já se ter defraudado adicionalmente obrigacionistas no valor de dois mil milhões de euros?", questiona, acrescentando ainda outra interrogação: "Perante esta realidade catastrófica, como é possível que o sistema judicial não tenha ainda produzido qualquer acção sustentada contra quem quer que seja?".




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
xxx Há 1 semana

Eu vejo as mesmas vantagens na morte temporária de Rui Rio. Aliás deviam fazer as duas coisas ao mesmo tempo, e depois logo se via qual ressuscitava primeiro. E era capaz de ser o Rui Rio.

Camaradaverao75 Há 1 semana

Meu caro e admirado Rui Rio porque não se cala? Tal&qual Obama no fim de obra bem feita borram toda a fachada.

Mr.Tuga Há 1 semana

TugaLândia pocilga de atrasados! Essa é que é essa: "Como é possível que ele hoje nada valha, depois de, inclusive, já ter defraudado adicionalmente obrigacionistas em dois mil milhões de euros".o sistema judicial não tenha ainda produzido qualquer acção sustentada contra quem quer que seja"!?

Anónimo Há 1 semana

Se existe uma solução que permite "reduzir os encargos dos bancos para com o Fundo de Resolução (FR)", então que seja o FR a ficar com o NB e a tratar do plano de rentabilização.
Se o FR achar que tal não é possível que declare a insolvência do NB e assuma o prejuízo!!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub