Finanças Públicas César das Neves: “Só pode ser patética uma época que tanto abusa do dinheiro alheio”

César das Neves: “Só pode ser patética uma época que tanto abusa do dinheiro alheio”

“Quando o Orçamento mexe com metade do PIB há muita gente a viver de dinheiro alheio”, conclui César das Neves que reflecte sobre o aumento exponencial do peso das despesas públicas no PIB e os seus efeitos perversos.
César das Neves: “Só pode ser patética uma época que tanto abusa do dinheiro alheio”
Negócios 03 de junho de 2013 às 12:15

“Uma das características mais bizarras do nosso tempo é a quantidade de pessoas que vive e dispõe do dinheiro dos outros”, escreve João César das Neves, professor de Economia da Universidade Católica, ao lembrar que a raiz desse fenómeno está no crescimento das despesas públicas que passaram de 5% do PIB no século XIX para mais de 50% em 2010, tendo a austeridade da troika reduzido esse valor para 45%. Conclusão: “Quando o Orçamento do Estado lida com cerca de metade do que o país tem, há mesmo muita gente a viver de dinheiro alheio”.

 

E isso provoca vários efeitos perversos, a começar pela “indefinição”. “Um padeiro sabe que o que recebe depende do que produz. Mas o funcionário, reformado, sindicalista, subsidiado, não tem noção do seu real valor. Os montantes acabam determinados por conceitos abstractos, como justiça ou necessidade, progresso ou interesse. Isso permite subir muito as verbas, como aconteceu por cá até 2011, ou cortar imenso, como desde então”, escreve no seu artigo semanal no Diário de Notícias.

 

“A facilidade com que se gasta o dinheiro alheio” é outro problema. “Note-se a displicência com que ministros e autarcas se apropriam dos montantes orçamentados e fundos estruturais, que não lhes custam a ganhar. Um médico de um grande hospital, mesmo privado, receita exames e tratamentos que omitiria se ele ou o doente tivessem de pagar a conta. Em certos casos essa facilidade torna-se uma verdadeira toxidependência”, refere.

 

O professor de economia considera, porém, que “o aspecto mais curioso são as razões que levam pessoas honestas e bem intencionadas a despender com vigor o que não é seu”, acreditando que “as verbas públicas vêm de ricos” e/ou que se não forem gastas por si outros departamentos as irão desperdiçar, “o que equivale ao mesmo: o dinheiro não faz falta aos outros”. Em qualquer caso, reflecte, “só pode ser patética uma época que tanto abusa do dinheiro alheio”.


A sua opinião62
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Que o diga o Dr. Mario Soares com suas fundacoes familiares, viagens ao exterior quando era 1º Ministro, Srs. Deputados e outros ilustrissimos gastantes do dinheiro do povo. Ex-presidentes com carro publico, etc...

comentários mais recentes
Anónimo 01.12.2013

enquanto houver dinheiro alheio eles nao param
e um facto

Anónimo Há 3 semanas

Quem não gosta disto como diz o "Vaaregue" "o Fim da linha" e outros é porque usufriram do esquena, não he´?

Anónimo Há 3 semanas

Os contribuintes deveriam ter controlo nas despesas do Estado. Bastaria estarem representados como "não executivos" em todos os organismos produtores de despesa Pública, para que houvesse muito menos delapidação dos dinheiros públicos.

Vitor C. Clemente Há 3 semanas

MAIS UM VENDIDO DO SISTEMA AO SERVIÇO DOS GATUNOS DO NEOLIBERALISMO COM O OBJECTIVO DE ROUBAR SEMPRE AOS MESMOS.

ver mais comentários
pub