Finanças Públicas Teodora Cardoso: “Até certo ponto, houve um milagre no défice”

Teodora Cardoso: “Até certo ponto, houve um milagre no défice”

Apesar de o défice ter batido todas as estimativas, a presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) deixa críticas à estratégia de consolidação orçamental. As declarações são feitas à Renascença e ao Público.
Teodora Cardoso: “Até certo ponto, houve um milagre no défice”
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 02 de março de 2017 às 09:05

A crítica é a de sempre: o Governo até está a reduzir o défice, mas está a consegui-lo com medidas temporárias que não são sustentáveis no médio prazo. Teodora Cardoso fala mesmo em "milagre", referindo-se à reacção do Governo à ameaça de sanções da Comissão Europeia.

 

Em entrevista à Renascença e ao Público, os jornalistas lembram que a economista considerava que atingir a meta de défice era uma questão de fé. Houve milagre? "Até certo ponto, houve", responde. "Até ao final do primeiro semestre, [as informações] não iam no sentido de cumprir as regras", sublinha. "Houve a meio do ano uma alteração muito importante, que foi a actuação da Comissão Europeia, pondo a hipótese de sanções. E esta mudança levou a uma alteração muito profunda da política."

 

Ou seja, houve um conjunto de medidas e iniciativas que aprofundaram a correcção do défice e que Teodora Cardoso dá a entender que dificultou a análise das contas por parte do CFP. "Era muito difícil avaliar o que estava na cabeça do Governo", recorda. Mais tarde, isso começou a ficar mais claro, com a implementação do perdão fiscal (PERES) e "cortes da despesa muito profundos, nomeadamente no investimento público".

 

Qual é o problema desta estratégia? Para o CFP, "este tipo de medidas não são sustentáveis". "O que resolve o problema da despesa pública é uma reforma que tenha efeitos a médio prazo de melhor gestão das despesas, de qualidade das despesas e de ganhos de eficiência".

Recorde-se que o ministro das Finanças já garantiu que o défice orçamental de 2016 ficou, no máximo, em 2,1% do PIB. Um valor inferior a todas as estimativas internacionais e abaixo até do objectivo fixado pelo Governo para esse ano.

 

Questionada também sobre nomeações pendentes para o CFP, a presidente do organismo avisa que "a haver uma intrusão do Governo que pusesse em causa a nossa [CFP] independência teria um custo político".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
jepndc49 06.03.2017

A grande maioria dos comentadores não entende como pode Teodora Cardoso dizer o que diz (não estava no manual). Daí, a ameaça à boa maneira estalinista (suave muito suave) do desemprego, do corte salárial, etc.
Ou seja, a raiva totalitária de meia dúzia de esquerdistas agastados com espectro da democracia e daqueles que não vão nas mentiras da geringonça.
Valha-nos Passo Coelho e companhia que souberam arrumar a casa, vencer eleições, e ser apiados por um golpe de estado à la costa, à la catraia e ao outro do pcp .

Anónimo 06.03.2017

O verdadeiro "milagre" é esta senhora, que deveria estar a receber uma "choruda" reforma do BP, ainda ocupar um cargo em que tem de haver o máximo de isenção ( quando o PSD era Governo era mais cuidadosa)... Ela e o Dr. Medina Carreira são o nosso verdadeiro "casal da desgraça que aí vem"!

Anónimo 03.03.2017

Não seria uma boa altura para esta senhora se reformar ?
Creio que já não fala para ninguém, ou fala sozinha, ou então por encomenda...

TinyTino 02.03.2017

Em 2013 não se ouviu um pio a esta senhora sobre o perdão fiscal do Passos.

pub
pub
pub
pub