Orçamento do Estado Centeno: "Este orçamento tem sido tudo e o seu contrário ao mesmo tempo"

Centeno: "Este orçamento tem sido tudo e o seu contrário ao mesmo tempo"

O ministro das Finanças comentou o debate que a proposta do Orçamento do Estado para 2016 está a gerar e diz que há quem o considere despesista e também austero. Na realidade, garante, o orçamento pretende virar a página da austeridade.
Centeno: "Este orçamento tem sido tudo e o seu contrário ao mesmo tempo"
Bruno Simão/Negócios
Bruno Simões 19 de Fevereiro de 2016 às 11:25

Mário Centeno abriu esta manhã uma conferência sobre o Orçamento do Estado para 2016, no ISCTE, em Lisboa, e não perdeu a oportunidade de abordar as críticas que o documento tem gerado no espaço público. Com as opiniões diversas como as que "procuram gerar confusão, alimentando o medo e incerteza quanto a um suposto aumento de impostos e manutenção das políticas de austeridade" e as que "exploram o contrário", e "dizem que é um orçamento despesista com riscos no que concerne às metas fixadas", Centeno conclui que "este orçamento tem de facto sido tudo e o seu contrário ao mesmo tempo".

 

Onde está a verdade, então? "Eu poderia dizer que no meio se há-de encontrar a virtude", afirma. Porque o OE 2016 contraria as teses "de caminho único" e "pretende demonstrar que existe essa alternativa, e que podemos devolver a esperança aos portugueses, pelo menos no campo do debate político", salientou. "É um orçamento responsável, que favorece o crescimento económico e a criação de emprego, melhora a protecção social" e também "melhora as contas públicas reduzindo o défice e a dívida", assegura.

 

"É um orçamento que tenho apresentado como dialogante e equilibrado" e que "constitui as opções essenciais do programa do Governo", prosseguiu Centeno. "Respeita os acordos que celebrámos no quadro parlamentar" mas também "respeita as obrigações internacionais de Portugal", acrescentou.

 

Peso dos impostos no PIB diminui

 

Em resumo, Centeno diz que o OE 2016 "é um orçamento diferente, mostra que há alternativas às políticas de austeridade, assegurando ao mesmo tempo uma gestão orçamental equilibrada". E a célebre questão da carga fiscal, que a Unidade Técnica de Apoio Parlamentar diz que desce mas que a errata ao relatório do Orçamento diz que se mantém? Centeno olha para o PIB e recorre ao "conceito novo" que esta quinta-feira disse ter inventado, para referir que há uma "diminuição do peso dos impostos no PIB", bem como uma "recuperação do rendimento das famílias".

 

"Com este Orçamento, o Governo pretende virar a página da austeridade, assumindo escolhas claras", remata.

 

Centeno também abordou, na conferência, as negociações com a Comissão Europeia, sublinhando que "o processo negocial, a nível técnico e político, entre o Governo e a Comissão Europeia foi e é absolutamente normal" e "foi bastante frutuoso". E "apesar de termos presente a necessidade e respeitar os compromissos europeus", o Governo "não descuidou, não descuida nem descuidará os interesses da população portuguesa", afiançou.




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos 19.02.2016

O camarada "DIREITALHA...", "É PRECISO Blá blá blá" padece de um problema sério designado de deficit democrático e claro de FORMAÇÃO. Portanto estamos ambos de acordo!! Este governo é a sua imagem. A sua imagem, linguagem e conceitos assentam perfeitamente neste governo!!
Trata-se de um casamento perfeito. Estes kamaradas de Abril, que nada sabem de comunismo/socialismo/capitalismo (FASCISMO é o que melhor conhecem, praticam-no como se uma religião fosse), a não ser comer sandes de corato (bem boas) com MUITAS "mines" Sagres a acompanhar, na festa da Quinta da Atalaia..E viver do dinheiro dos outros..Na realidade isso tem um nome, e não é COMUNISMO, É PARASITISMO!

comentários mais recentes
Anónimo 20.02.2016

Eis o POLICIA SINALEIRO...dp NADA, do ZERO! Que ave rara!!!

Anónimo 20.02.2016

http://www.cnbc.com/2016/02/12/portugal-finmin-we-must-take-volatility-seriously.html , não te rias oh centeno !

genio2 20.02.2016

Sr Centeno! 2 2=4, não 22,o Sr está sempre a fazer confusão...foi o Sr Primata Monhé Albino que deu a dica para trocar tudo?
Olha que eu nem o queria para ir ao supermercado, ficava falido no primeiro mês.

Ó Centeno . . . 19.02.2016

Kerias uma auto estrada ? Tu mais os kumunas e os brochi.stas ? Trabalhem. ha ha ha

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub