Orçamento do Estado Juncker sobre Orçamento: "Não temos uma política de austeridade estrita e estúpida"

Juncker sobre Orçamento: "Não temos uma política de austeridade estrita e estúpida"

O presidente da Comissão Europeia defendeu que são as regras europeias que justificam a intervenção de Bruxelas na preparação do Orçamento do Estado de Portugal. E garantiu que há "flexibilidade".
Juncker sobre Orçamento: "Não temos uma política de austeridade estrita e estúpida"
Negócios com Lusa 03 de Fevereiro de 2016 às 11:57

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, justificou esta quarta-feira a intervenção de Bruxelas junto de Lisboa por causa do Orçamento do Estado com o cumprimento das regras europeias, nomeadamente o Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC).

"Alguns colegas disseram que a Comissão Europeia não deve tratar de orçamentos nacionais, não é verdade: há um tratado, um PEC, há recomendações país a país, debates no Eurogrupo e no Conselho [da UE] e a Comissão tem que desempenhar o seu papel", disse Juncker, na intervenção final de um debate com os eurodeputados.

O líder do executivo comunitário referia-se, nomeadamente, ao eurodeputado comunista João Ferreira, que tinha acusado Bruxelas de estar a conduzir "uma inqualificável operação de chantagem" para condicionar o Orçamento do Estado português.

"Os orçamentos que estão a ser estudados pela Comissão vão nesse quadro e os próximos orçamentos também", sublinhou Juncker.

O presidente da Comissão Europeia adiantou ainda que "houve alguns elementos de flexibilidade da interpretação do PEC que são suficientes para permitir aos Estados-membros - mesmo aqueles que têm dificuldades - propor orçamentos que cumpram todas as regras e todas as exigências.


"Não temos uma política de austeridade estrita e estúpida", sublinhou.

Esta terça-feira, Juncker admitiu em declarações à RTP estar "muito preocupado" com os planos orçamentais do governo de António Costa, enquanto o comissário dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, destacou o "clima construtivo" das negociações com Lisboa e desejou "que o país consiga gerir as finanças públicas e que o faça com bom-senso".




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.02.2016

Roubo!

Os valores dos salários e pensões da função pública são um roubo aos restantes cidadãos do País, que os pagam com os seus impostos!

comentários mais recentes
Barradas 03.02.2016

Só mesmo por estupidez se pode dizer uma barbaridade destas!

Anónimo 03.02.2016

Pois isto foi um verdadeiro regabofe, tenho 61 anos e 46 de descontos, calculo da reforma menos 36%, funcionário publico que conheço reformou-se aos 50 anos com 30 de servico, portanto já reformado á 9 anos pois tem 59, reforma por inteiro. isto sim é que é equidade.

Anónimo 03.02.2016

O maior buraco do OE 2016

Buraco Anual da CGA = Défice Orçamental 2016

(Este buraco é tapado com o dinheiro sacado aos outros portugueses, através dos sucessivos aumentos de impostos)

SALAFRARIO 03.02.2016

O ataque que aqui estão a fazer aos funcionarios publicos é injusto. Vou citar o meu exemplo. Eu e o meu irmão somos ambos licenciados em informatica. Eu trabalho no privado e ganho cerca de €4 000 e o meu irmão trabalha na função publica e aufere cerca de €1 200. No privado ganha-se mais.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub