Orçamento do Estado Novas medidas do Orçamento cortam crescimento para 1,8%

Novas medidas do Orçamento cortam crescimento para 1,8%

As novas medidas negociadas com a Comissão Europeia reduzem mais o défice. Mas o crescimento também abranda e desemprego fica mais elevado do que o previsto inicialmente. Exportações também crescem menos.
Novas medidas do Orçamento cortam crescimento para 1,8%
Bruno Simão/Negócios
Rui Peres Jorge 05 de fevereiro de 2016 às 14:28

O novo cenário macroeconómico incluído na proposta de orçamento prevê uma consolidação orçamental mais acentuada em 2016, mas em troca inclui também uma taxa de crescimento mais baixa e um desemprego um pouco mais elevado do que na versão inicial do esboço orçamental enviado a Bruxelas. O consumo também crescerá menos, em parte em reacção ao aumento da tributação indirecta sobre produtos de consumo, como produtos petrolíferos, tabaco ou veículos.

A taxa de crescimento económico prevista pelo Governo é agora de 1,8%, contra os 2,1% previstos anteriormente. Um resultado da necessidade de avançar com mais medidas de consolidação orçamental de forma a garantir uma redução mais acentuada do défice público, como determinado nas regras europeias e exigido pela Comissão Europeia.

Tal como Negócios já avançou, no final de quinta-feira o governo apontava para um défice orçamental de 2,2% do PIB em 2016 (que compara com os 2,6% anteriores e os 4,2% de 2015), e para uma redução do défice estrutural de 0,3 pontos percentuais. Para isso necessitou de acrescentar qualquer coisa como 700 milhões de euros de medidas de consolidação orçamental, entre elas agravamentos adicionais da tributação sobre tabaco, combustíveis e automóveis, aliados a impostos sobre a banca e o recuo em pelo menos uma das medidas bandeira do executivo: a redução da TSU suportada pelos trabalhadores para salários abaixo dos 600 euros.

Como consequência, a economia crescerá menos, o consumo também abrandará de um crescimento estimado de 2,6% para 2,4% (2,6% em 2015), e serão criados menos empregos em Portugal, estima agora o governo, que revê por isso em alta a previsão de taxa de desemprego de 11,2% para 11,3% (13,9% em 2015), apurou o Negócios junto de fonte governamental.

Uma outra novidade que parece ir ao encontro das críticas que foram dirigidas às previsões iniciais, e que não é claro se se relaciona com as negociações da última semana e meia, chega da frente externa. As exportações deverão agora crescer 4,3% face a 2015, menos que os 4,9% previstos inicialmente no esboço enviado a Bruxelas. Várias análises publicadas desde então, incluindo a do Conselho das Finanças Públicas, aconselhavam mais prudência nesta variável uma vez que as últimas noticias sobre vários destinos importantes (de Espanha ao Brasil ou China) apontam para que tenham um ano difícil.







A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.02.2016


Fim da austeridade

O PS comemora o Fim da austeridade, ... com brutais aumentos de impostos!

comentários mais recentes
Anónimo 05.02.2016

Esta malta é tal e qual ao Syrisa , entrou a dizer que ia aumentar o rendimento das familias , e afinal só aumentou as despesas.Parecia que iam bater o pè a União Europeia e afinal tiveram que tomar medidas que se fosse o anterior não precisaria
È o que os Portugas merecem.

Anónimo 05.02.2016

Como é possível que um jornal como "negócios" publique dados sobre projecções de crescimento, desemprego etc, comparações com o anterior governo sem se certificar da sua veracidade.

jimex 05.02.2016

1,8 , 2,2, 3,3? é à vontade do freguês! Diga lá outra vez ...

Mr.Tuga 05.02.2016

Bestas ruinosas e despesistas!

ver mais comentários
pub