Orçamento do Estado Santos Silva questiona autoridade da oposição quando falhou consolidação

Santos Silva questiona autoridade da oposição quando falhou consolidação

O dirigente socialista e ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, questionou hoje a autoridade da oposição para criticar o Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), quando no passado falhou "a consolidação orçamental".
Santos Silva questiona autoridade da oposição quando falhou consolidação
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 20 de fevereiro de 2016 às 15:47

"Qual é a autoridade daqueles que falharam a consolidação orçamental para porem agora em causa o que está na nossa proposta e que significa passos concretos e decisivos na consolidação orçamental?", questionou Augusto Santos Silva, no encerramento das jornadas parlamentares do PS, em Vila Real.

 

O ministro recorreu ao adágio popular que diz "bem prega Frei Tomás, faz o que ele diz, não faças o que ele faz", para aconselhar que, neste caso, não se fazer nem o que PSD e CDS dizem nem o que fizeram.

 

"Aqueles que são hoje oposição por vontade popular eram no ano passado Governo, igualmente por vontade popular. O défice nominal que eles colocaram em 2,7% falharam. O défice estrutural em vez de diminuir, aumentou. A dívida pública em vez de diminuir, aumentou, e aquilo que devia aumentar em vez de diminuir, o rendimento disponível das famílias, esse diminuiu também", argumentou.

 

"Mesmo um indicador que devia ser um indicador muito importante, seja para aqueles convictamente liberais, seja para aqueles que agora se querem disfarçar à pressa de sempre sociais-democratas, o do peso dos impostos sobre o produto, aumentou no ano passado", acrescentou.

 

Santos Silva defendeu que, por outro lado, a proposta de lei que está agora em discussão para 2016, "reduz o défice nominal, reduz o défice estrutural, reduz a dívida pública, reduz a carga dos impostos no produto, reduz a despesa pública no produto, e faz aumentar os rendimentos das famílias".

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros representou o primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, no encerramento das jornadas parlamentares do PS, dada a ausência do chefe de Governo por se encontrar em Bruxelas, no Conselho Europeu.

 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado beachboy Há 6 dias

...Silva grot esco, mentes como respiras
...mas a tua mentira será senmpre denunciada
...fallharam por colocarem o défice em 2,7 %
...esqueces-te que o défice publico real ainda à uns anos era de 12 %
...tudo porque o PS tinha escluído imensa dívida pública do orçamento
...desde esses dias de caos, chegou-se uma situação de relativo control
...esta correcção é indiscutível e é um enorme progresso
...o partido Socialista, já se sabe o que vai fazer
...colcar o país no caos
...tudo o resto é propaganda política
...no teu caso, feito por um indíviduo sinistro e sem o mínimo de escrupulos ou caracter
...infelizmente, do que há de pior em Portugal !

comentários mais recentes
Juca Há 6 dias

No momento da foto o que é que o Santos Silva está a dizer? É o seguinte: em Portugal o carapau é deste tamanho. Au moins.

. Há 6 dias

.

FORAM MAIS GRAVES OS ATAQUES DOS LARANJAS AO TC Há 6 dias

Quanto às críticas que os laranjas fazem ao Dr. ANTÓNIO COSTA, por ter dado um murro na mesa, em relação a um GOVERNADOR DO BP promíscuo com o anterior desgoverno e que tem, de facto, uma agenda política para cumprir, será bom q tenham vergonha na cara e se recordem dos ataques públicos ao TC.

Anónimo Há 6 dias

Quem ouvir este politico, deve pensar que foi imigrante que saiu de Portugal , nunca ouviu falar no Socrates,
O Costa só foi contratar os ministros à saida do cuidados intensivos de algum Hospital de pessoas que estão a sair de comas profundos e que tenham esquecido os ultimos 15 anos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub