Orçamento do Estado Transportadoras exigem ao Governo redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo

Transportadoras exigem ao Governo redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo

As duas associações que representam o sector dos transportadores de mercadorias decidiram apresentar na próxima semana um pacote de medidas ao Governo, exigindo a redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo.
Transportadoras exigem ao Governo redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo
Reuters
Lusa 13 de fevereiro de 2016 às 19:12

O gasóleo "20 cêntimos mais barato" é a principal exigência da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (Antram) e da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), que reuniram este sábado, 13 de Fevereiro, em Pombal, distrito de Leiria, num encontro que pretendia definir ações em defesa do sector, na sequência do aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP).


O presidente da Antram, Paulo Duarte, que falava aos jornalistas a meio da reunião na condição de porta-voz das duas associações, defendeu uma equiparação do preço do gasóleo àquele que é praticado em Espanha, sendo para tal necessária uma redução de 20 cêntimos.


Segundo o dirigente, se "em Espanha são competitivos" em relação ao preço do gasóleo, essa competitividade também deve ser possível de se alcançar em Portugal, recordando ainda que o actual preço do gasóleo leva a que as transportadoras optem por abastecer em Espanha.


"Queremos ser competitivos no sector de que Portugal tão precisa, que é o sector das exportações", bem como na circulação de produtos no mercado interno, vincou.


Numa reunião realizada à porta fechada e em que "os ânimos não estão calmos", já se chegou à decisão de se entregar um documento com "pelo menos seis medidas" ao Governo no início da próxima semana, informou Paulo Duarte.


As duas associações irão esperar por "uma resposta concreta na semana seguinte" e, mediante a resposta do Governo, poderão tomar "outro tipo de medidas e de luta", disse, sem querer adiantar que outras acções poderão tomar.


Paulo Duarte optou por não divulgar as medidas inscritas nesse documento à excepção da exigência de redução do preço do combustível, mas afirmou que o pacote de propostas é "verdadeiramente exequível" e que podem tocar na "redução de custos de contexto", entre outras áreas.


Segundo o presidente da Antram, foi "muito difícil" convencer os representantes das transportadoras reunidos em Pombal em avançar para a entrega deste pacote de medidas, porque "há muitos anos" que o sector apresenta propostas, mas "a receptividade não tem sido a melhor".


A proposta do Orçamento do Estado para 2016 determina o aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) em seis cêntimos por litro na gasolina sem chumbo e no gasóleo rodoviário e três cêntimos por litro no imposto aplicável ao gasóleo colorido e marcado (gasóleo verde ou agrícola).


Com esta medida, o Governo pretende arrecadar mais 360 milhões de euros e, assim, compensar a descida das cotações do petróleo nos mercados internacionais, que levou a uma perda de receitas para o Estado.


A sua opinião47
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
RAZOABILIDADE 14.02.2016

Ó CHAMADA DE ATENÇÃO, amigo tenho que concordar consigo. Realmente no tempo do PSD/CDS toda a gente amouchava. Agora todos se rebelam e com os combustíveis mais baratos. Eh pá, não deem abebias a esses gajos. Redea curta. E se quiserem endurecer a parada, cá estamos.

FDP 14.02.2016

Como há "ECONOMISTAS" que entre baixar impostos nos combustríveis e baixar o iva nos cafés e tascas, optam pelo segundo . . .

FDP 14.02.2016

Como há "ECONOMISTAS" que entre baixar impostos nos combustríveis e baixar o iva nos cafés e tascas, optam pelo segundo . . .

CHAMADA DE ATENÇÃO 14.02.2016

Para grandes males, grandes remedios. Sabe-se que as transporatdoras metem a "pata na poça", no que respeita a horarios, pesos etc.. O sr 1º ministro devia ordenar aos serviços policiais, Fisco, SS, ministerio do Trabalho que fiscalizassem continuamente estas empresas ou outras abusadas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub