Função Pública Centeno: Funcionários do Serviço Nacional de Saúde cresceram 7%

Centeno: Funcionários do Serviço Nacional de Saúde cresceram 7%

O ministro das Finanças defendeu no Parlamento o reforço de pessoal nos sectores da Saúde e da Educação, sustentando que o compromisso de redução de funcionários não põe em causa a política do Governo nestas áreas.
Centeno: Funcionários do Serviço Nacional de Saúde cresceram 7%
Catarina Almeida Pereira 20 de dezembro de 2017 às 12:25

O número de funcionários do Serviço Nacional de Saúde cresceu 7% desde o final de 2014, de acordo com os dados divulgados pelo ministro das Finanças, que assim se defende das críticas feitas ao facto de o Governo estar a falhar a meta de redução de funcionários.

"Face ao final de 2014 temos mais 10% de médicos, 13% de médicos internos, 11% de enfermeiros, 6% de técnicos diagnóstico, 4% de assistentes operacionais", disse Mário Centeno, no Parlamento, concluindo que há "um crescimento de 7% do número de trabalhadores do serviço nacional de saúde". "Há muito mais consultas, mais cirurgias, mais serviço público para os cidadãos".

Também na Educação, "há mais cinco mil professores contados como equivalente em tempo integral. Mas isso foi feito porque há uma política da Educação assente no reforço do pessoal nas áreas geográficas onde havia mais necessidade e isso implicou um aumento do número de funcionários públicos", afirmou Centeno, na comissão de Trabalho e Administração Pública, onde está a ser ouvido esta quarta-feira, 20 de Dezembro.

Em resposta às questões do deputado do CDS António Carlos Monteiro, que confrontou o Governo com o facto de o número de funcionários continuar a aumentar, Mário Centeno sustentou que os compromissos assumidos com a Comissão Europeia para a redução do número de funcionários devem ser analisados com base no número de aposentações e não de saídas.

"Estas taxas de rotação estabelecem-se na base das aposentações. A regra que foi assumida foi assente nas aposentações: por cada dois aposentados apenas era contratado um", afirmou o ministro. O que Mário Centeno não explicou é se o número total de saídas da administração pública se afasta muito do número de aposentações.

O que os dados mostram é que, globalmente, o número de funcionários tem vindo a subir.




Saber mais e Alertas
pub