Função Pública Duodécimos: Finanças esclarecem que só em casos específicos haverá opção

Duodécimos: Finanças esclarecem que só em casos específicos haverá opção

Aos trabalhadores em funções públicas continuará a aplicar-se este ano o regime do pagamento do subsídio de Natal por duodécimos. Possibilidade de escolha só em casos específicos.
Duodécimos: Finanças esclarecem que só em casos específicos haverá opção
Bruno simão
Catarina Almeida Pereira 11 de março de 2016 às 19:14

A generalidade dos trabalhadores em Funções Públicas vão continuar a receber o subsídio de Natal em duodécimos. Na sequência das dúvidas levantadas pelos sindicatos, o Ministério das Finanças explica que a possibilidade de opção só poderá ser exercida pelos trabalhadores de entidades públicas empresariais que tenham no seu contrato individual ou colectivo essa opção expressamente prevista.

"Aos trabalhadores em funções públicas aplica-se o regime do pagamento por duodécimos. A possibilidade de opção apenas poderá ser exercida pelos trabalhadores de entidades públicas empresariais onde esteja prevista, no seu contrato de trabalho ou em instrumento de regulamentação colectiva, esta possibilidade", respondeu ao Negócios fonte oficial do Ministério das Finanças.

As dúvidas surgiram depois de o Parlamento ter aprovado uma alteração ao Orçamento do Estado que prevê que o regime de pagamento do subsídio de Natal em duodécimos continue a ser a regra, mas deixe de ser imperativo sobre as convenções colectivas ou sobre os contratos de trabalho.

O PS explicou que o objectivo é salvaguardar os instrumentos de regulamentação colectiva de trabalho que estabeleçam regras diferentes, mas a Fesap teve outra interpretação. Esta tarde, emitiu um comunicado no qual sustentou que os trabalhadores (em geral) poderiam escolher entre o pagamento do subsídio em duodécimos e por inteiro e no qual sugeria ao Ministério das Finanças que divulgasse essa possibilidade.

O que muda com a alteração aprovada esta quinta-feira?

A regra continuará a ser a do pagamento dos subsídios em duodécimos, ao longo do ano, mas quem tiver contratos colectivos ou contratos de trabalho que estabeleçam uma data diferente poderá receber o remanescente nessa data. Se o contrato colectivo ou o contrato de trabalho também estabelecer o direito de opção, esse direito será respeitado.

No sector privado, os trabalhadores sempre tiveram opção de escolha.







A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Evangelista Miranda 12.03.2016

E o Salazar é queria fazer dos portugueses - Tótós..! Valha-nos santa Engrácia. Como pode um povo heróico que deu novos mundos ao mundo, avançar no desenvolvimento, com esta gente a cortar-lhe todos os caminhos de trabalho e de criação de riqueza?

Anónimo 12.03.2016

Ó Centeio!! vai vender bolas de Berlim para a praia algravias, que na verdade nem jeito deves ter para tal..

Anónimo 11.03.2016

Um padre ha-de sentir muitas dificuldades em confessar o deficit:ele a confessar-se tambem mente,e e que mente as descaradas que o padre muitas das vezes ha-de ter vontade de o empurrar para um bispo.So ainda nao percebemos se isto e um jeito,ou faz-lhe jeito.

pub
pub
pub
pub