Função Pública Ministério Público está a analisar caso que envolve ex-presidente da ADSE

Ministério Público está a analisar caso que envolve ex-presidente da ADSE

O Ministério Público está a "recolher elementos" para decidir se faz ou não alguma coisa em relação ao caso da Associação de Cuidados de Saúde da PT, que motivou a demissão do presidente da ADSE.
Ministério Público está a analisar caso que envolve ex-presidente da ADSE
Sara Matos

O Ministério Público está a recolher elementos para decidir se fará ou não alguma coisa em relação ao caso da Associação de Cuidados de Saúde da PT (PT ACS), que motivou a demissão do presidente da ADSE, Carlos Liberato Baptista.

"O Ministério Público encontra-se a recolher elementos com vista a decidir se há procedimentos a desencadear no âmbito das respetivas competências", respondeu ao Negócios fonte oficial da Procuradoria-Geral da República.

Os factos foram revelados por uma reportagem da TVI com base numa auditoria relativa ao período em que o ex-presidente da ADSE era administrador delegado da PT ACS, cargo que ocupou até 2009. 

Em causa estarão diversas irregularidades no pagamento a fornecedores, situações de desvio de dinheiro e favorecimento de empresas, com indícios da prática de crimes que não terão sido comunicados às autoridades.

Carlos Liberato Baptista (na foto), que estava à frente da ADSE há três anos – primeiro como director-geral e depois como presidente do novo Instituto Público – pediu a demissão na segunda-feira, na véspera da emissão da reportagem. Continua a assumir funções até que seja nomeado um novo presidente.

Na terça-feira, o presidente demissionário sugeriu uma auditoria às contas da ADSE. O pedido foi "reforçado" pelo Ministério da Saúde junto Inspecção-Geral das Actividades em Saúde, depois de vários membros do conselho consultivo do subsistema de saúde terem solicitado o mesmo. 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

NÃO VALE... MAIS UM DIGNO REPRESENTANTE DA ESCUMALHA DE ESQUERDA A SER INVESTIGADO...

escravo branco da democracia e da ciganada Há 2 semanas

quantos anos vai demorar o MPublico com ordenados de 5000€ mês a analisar este caso transcendente e transcendental?!

Outro corrupto Há 2 semanas

A sorte deles é que não há polícia nesta pocilga

Anónimo Há 2 semanas

País de corruptos. Da tasca da esquina ao governo. Passando por deputados que cobram viagens que não fazem e vão para a TV dizer que é um direito. Manuela Ferreira Leite disse há uns anos que para endireitar isto só suspendendo a democracia por 6 meses. Agora nem seis anos! Mas devíamos

ver mais comentários
pub