Função Pública Repartições de finanças alargam horário: abrem ao almoço e fecham mais cedo

Repartições de finanças alargam horário: abrem ao almoço e fecham mais cedo

A partir de amanhã, o Governo alarga em uma hora o atendimento da maioria das repartições de Finanças, ao mesmo tempo que reduz horário de trabalho dos funcionários. Solução "agrada a gregos e a troianos", garante Paulo Ralha, do STI
Repartições de finanças alargam horário: abrem ao almoço e fecham mais cedo
Cátia Barbosa/Negócios
As maioria das repartições de Finanças vai alargar em uma hora por dia o seu horário de atendimento total. Passarão a estar abertas à hora de almoço, o que até aqui não acontecia, e a fechar meia hora mais cedo, já a partir de amanhã, 1 de Julho.

Em comunicado, o ministério das Finanças anunciou que "o horário de atendimento ao público dos serviços da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) vai ser reformulado, com efeitos práticos já a partir de 1 de Julho".

"Actualmente apenas aplicado em cerca de 22 serviços de finanças, o horário contínuo de atendimento passa assim a ser instituído nos 342 serviços. Ou seja, em todos os serviços de finanças, as portas passam a estar abertas ao público, sem interrupções, entre as 9:00 e as 15:30", acrescenta o comunicado.

Depois do aumento do horário de trabalho para as 40 horas, as repartições de Finanças passaram de uma forma geral a estar abertas das 9:00 às 12:30 (mais meia hora do que antes) e das 14:00 às 16:00, segundo explicou ao Negócios Paulo Ralha, do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI).

Com a alteração, os horários são alargados em uma hora, de forma global, apesar da antecipação de meia hora no horário de fecho. 

A medida, que já tinha sido proposta pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, aplica-se no mesmo dia em que os funcionários passam de um horário de 40 horas para 35 horas por semana.

"A grande engenharia que se faz é através da hora de almoço. Os trabalhadores vão ter de se dividir por turnos, mas uns almoçam mais cedo e outros mais tarde". "O horário passa a ser das 9:00 às 17:00 com uma hora de almoço", afirma.

A solução "agrada a gregos e a troianos", garante o presidente do STI.

A nova lei permite que os serviços públicos reduzam o período de atendimento, ao estabelecerem que esse intervalo deve ser, "tendencialmente", de sete horas, em vez das anteriores oito. Com o novo horário, os serviços da AT, que sempre estiveram abaixo da referência legal, passam a estar abertos seis horas e meia.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 30.06.2016

Quem tem a pagar já recebeu, porém quem tem a receber continua à espera. Começo a acreditar que estão outra vez sem dinheiro.

comentários mais recentes
Anónimo 31.10.2016

Era mais eficiente fazerem horario contínuo das 9 às 19h (ou mais) e fazerem turnos. Não precisam de estar todos os funcionários em simultâneo. Faziam 35h na mesma mas repartidos pelos dias e turnos para poder manter portas abertas durante esse horário.

CFF 01.07.2016

Primeira medida que resulta da semana de 35h. Como so trabalham 7h, funcionando em horario continuo, so dá mesmo para fazer o horario das 9 às 15.30h. O cliente é obrigado a ir naquele horario se quiser! País que nao respeita os seus contribuintes, nao pode esperar que estes invistam e criem riqueza. Óbvio, não?

Anónimo 30.06.2016

Quem tem a pagar já recebeu, porém quem tem a receber continua à espera. Começo a acreditar que estão outra vez sem dinheiro.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub