Impostos Carga fiscal sobre o trabalho disparou nos últimos anos em Portugal

Carga fiscal sobre o trabalho disparou nos últimos anos em Portugal

Portugal foi dos países onde os impostos sobre os rendimentos do trabalho mais se agravaram entre 2010 e 2014, mostra um estudo da OCDE parcialmente divulgado esta terça-feira. Para solteiros sem filhos, Portugal bate mesmo o recorde em termos de subida da carga fiscal.
Carga fiscal sobre o trabalho disparou nos últimos anos em Portugal
Reuters
Elisabete Miranda 14 de abril de 2015 às 12:48

A carga fiscal sobre o trabalho em Portugal continua longe dos níveis praticados nalguns países europeus, mas, nos últimos anos, está a aproximar-se a grande velocidade do topo. Entre 2010 e 2014, Portugal registou das mais altas taxas de crescimento nos impostos que incidem sobre o trabalho entre todos os países da OCDE, e a responsabilidade é do IRS, já que as contribuições para a Segurança Social se têm mantido estáveis.

 

Esta terça-feira, a OCDE divulgou conclusões parciais do "Taxing Wages", um relatório anual onde o organismo internacional mede o peso das contribuições que recaem sobre os rendimentos do trabalho da família (IRS, desconto para a Segurança Social, líquido dos apoios públicos), com recurso a simulações do impacto da carga fiscal sobre o rendimento bruto de agregados familiares-tipo. 

 

Uma das conclusões que é possível retirar é que, entre 2010 e 2014, um solteiro sem filhos que ganhe o salário médio, viu a carga fiscal sobre o trabalho (medida de acordo com o critério acima descrito) aumentar de 37,1% para 41,2%. Ao todo, registou-se um agravamento de 4,5 pontos percentuais, a marca mais elevada de toda a OCDE.

 

Apesar deste salto, Portugal continua atrás de países como a Bélgica, Áustria, Alemanha, Hungria e França, onde o "tax wedge" ultrapassa os 45%.

 

Uma segunda simulação feita pela OCDE para famílias com dois filhos, com salário médio, mas onde um só elemento trabalha, mostra que este tipo de agregados viu a sua carga fiscal aumentar de 26,3% em 2010 para os 29,8% em 2014. Este agravamento, de 3,5 pontos percentuais, foi o sexto mais alto da OCDE no período.

 

A informação parcial divulgada esta terça-feira não permite perceber as razões para a variação da carga fiscal por país, nem em que medida as variações ocorreram de forma progressiva com o rendimento.

 

Contudo, em Portugal, a responsabilidade deverá estar maioritariamente do lado do IRS que, em 2012 e em 2013, com os cortes substanciais nas deduções à colecta, a subida da taxa e a introdução da sobretaxa, viu a sua factura disparar. 




A sua opinião66
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ANDROID... 14.04.2015

Neste Pais, o que interessa é o capital/n.ºs, o factor trabalho/produtividade é para converter Portugal na China da Europa, onde as pessoas emigram alegremente e só ficam cá, quem n tem alternativa ou é politico.

comentários mais recentes
ESSES TRAPACEIROS 17.04.2015

GOVERNAM PARA UMA MINORIA E TÊM UM ÓDIO VISCERAL AO TRABALHADOR

VOLTAR A VOTAR NO PEPEIDOLAS ? NEM PENSAR !

CAMILO FOI DE VELA DA TVI 17.04.2015

MAS CONTINUA ESCANCHADO NA RTP E NA RDP- SÓ A 1ª ESPATIFA 360 MILHÕES POR ANO- PARA O PALADINO DO DESPEDIMENTO DE 100 MIL FUNCIONÁRIOS( JÁ SAIRAM 75 MIL) –VÃO SAIR MAIS UNS DOIS MIL - ASSIM MAIS FICA PARA O CAMILO ESTAMOS- CONVERSADOS !

Anónimo 15.04.2015

Falta clarificar que aumentou na classe média... porque os que pagaram a campanha eleitoral do atual governo a tal montada na fábula da bancarrota...viram diminuida a sua carga fiscal...

Anónimo 15.04.2015

para quando a fusão dos municípios e extinção das empresas municipais onde os chulos das laranjas podres se acoitam prometido pelo farsolas

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub