Impostos Panamá recebeu transferências de Portugal de mais de 1.300 milhões entre 2010 e 2014

Panamá recebeu transferências de Portugal de mais de 1.300 milhões entre 2010 e 2014

O Panamá recebeu mais de 1.300 milhões de euros em transferências de Portugal, entre 2010 e 2014, em cerca de 1.800 transferências realizadas para aquele território offshore, segundo números divulgados na quinta-feira pelas Finanças.
Panamá recebeu transferências de Portugal de mais de 1.300 milhões entre 2010 e 2014
Reuters
Lusa 29 de abril de 2016 às 01:00

O Panamá está no centro de uma investigação realizada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, que acedeu a cerca de 11,5 milhões de documentos da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas offshore em mais de 200 países e territórios.

 

A partir dos Papéis do Panamá (Panama Papers, em inglês), como já é conhecido o caso, a investigação refere que milhares de empresas foram criadas em offshores e paraísos fiscais para centenas de pessoas administrarem o seu património.

 

Os dados disponibilizados esta quinta-feira no Portal das Finanças, que tinham já sido noticiados pelo jornal Público, dão conta do dinheiro que saiu de Portugal para contas em paraísos fiscais e indicam que, entre 2009 e 2010, foram transferidos mais de 10.200 milhões de euros para offshore e territórios com tributação privilegiada, sendo que o Panamá está sempre entre os destinos que receberam montantes mais avultados.

 

Em 2010, o Panamá foi o segundo destino das transferências para offshores de Portugal, com 351 transferências, num total de 531 milhões de euros.

 

No ano seguinte, o Panamá passou a surgir em terceiro lugar, tendo recebido 547 milhões de euros, em 2012 foi o quarto destino, com transferências no valor de quase 98 milhões de euros, em 2013 continuou a surgir em quarto lugar, com transferências que ascenderam aos 105 milhões de euros e, em 2014, passou para o quinto destino mais relevante, com 158 transferências que totalizaram os 19 milhões de euros.

 

Olhando apenas para 2014, verifica-se que Hong Kong foi o destino offshore que recebeu valores mais elevados (quase 163 milhões de euros), seguindo-se as Ilhas Caimão (51 milhões de euros), os Emirados Árabes Unidos (35 milhões de euros) e Trinidade e Tobago (quase 25 milhões de euros).

 

Em 2010, a lista era liderada pelas Antilhas Holandesas (770 milhões de euros), seguindo-se o Panamá (531 milhões), o Luxemburgo (505 milhões de euros), Hong Kong (386 milhões de euros) e os Emirados Árabes Unidos (201 milhões).

 

Numa análise ao longo do tempo, verifica-se que 2010 e 2011 foram aos anos em que as transferências totais para as jurisdições offshore atingiram valores mais elevados: acima de 3.000 milhões de euros em 2010 e mais de 4.000 milhões de euros em 2011.

 

No ano seguinte, o valor destas transferências caiu para os 992 milhões de euros, tendo em 2013 subido para pouco mais de 1.100 milhões, atingindo o valor mais baixo em 2014, nos 373 milhões de euros.

 

Quanto ao número de transferências realizadas para estes destinos também se verifica uma oscilação de ano para ano: em 2010 foram feitas cerca de 11.000 operações e em 2011 foram realizadas 13.000 transferências, mas em 2012 há registo de cerca de 6.200 transferências, número que volta a subir para as 10.600 transferências em 2013 e que cai para as pouco mais de 2.000 operações em 2014.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
AAAA 30.04.2016

OS TUGAS PAGAM OS RESGATES DEVIDO AOS CORRUPTOS... pOLITICOS PSD, PSD E CDS, bANQUEIROS BCP, BPP, BPN, BANIF, BES, MELLOS, MOTAS, HORTAS, GRANADEIROS, ZEINAIS, CATROGAS, MEXIAS, COUTINHOS, ARNAUTS, JÚDICES, V DE ALMEIDA, M LEITÃO, PROENÇAS CARVALHO, SÁ CARNEIROS, SÉRVULOS, E MAIS UNS MILHÕES.

pertinaz 29.04.2016

SÓ?

COM TANTO DISPARATE NA GESTÃO DA BANCA, ATÉ ACHO POUCO...

COMO CIDADÃO ENTENDO QUE NÃO HÁ NADA DE MAL NAS OFFSHORE

DESDE QUE SE ASSEGURE QUE O DINHEIRO É LIMPO E PAGOU IMPOSTOS

POR VEZES TAMBÉM ME APETECIA TIRAR OS MEUS TROCOS DESTA BANDALHEIRA

O título induz em erro 29.04.2016

Os valores que indicam são trocos em relação à realidade. O proprio BP o admite. É tempo do ministerio das Finanças tomar medidas serias para combater a fuga de dinheiro. Sempre se verificaram fugas de dinheiro, mas combatendo a corrupção e tributando corretamente os lucros, a coisa diminui.

Me engana que eu gosta 29.04.2016

MENTIRA PORRA:Mesmo os nomes dos LADROES, e tudo falso e mentiras das mas linguas, pois nos somos todos: SERIOS&HONESTOS. Vao dar musica ao Caerralhu que vos phoda politicos ladrroes.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub