Impostos PS recusa beliscar benefícios fiscais da Zona Franca da Madeira
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

PS recusa beliscar benefícios fiscais da Zona Franca da Madeira

Os socialistas vão chumbar as propostas do Bloco de Esquerda que pretendem fazer depender os benefícios fiscais de maior e efectiva criação de emprego. Já nas acções ao portador há convergência: são para acabar.
PS recusa beliscar benefícios fiscais da Zona Franca da Madeira
Miguel Baltazar/Negócios
Elisabete Miranda 06 de junho de 2016 às 08:30

O Governo recusa-se a mexer no regime fiscal da Zona Franca da Madeira, deitando por terra as pretensões do Bloco de Esquerda (BE) que queria 

Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Estevão Pape 06.06.2016

Chamem o ministro da educação, esse que enfrenta os lobbies!

Jorge Tavares 06.06.2016

IMPOSTOS E REPRESENTAÇÃO POLÍTICA Na "democracia" portuguesa, só se é cidadão para pagar impostos, taxas, portagens e "rendas". Quando se olha para a representação política que deveria ser o outro lado da moeda, não se vê nada. Nem sequer o direito básico de cidadania que é poder escolher o candidato em que se prefere votar para nos representar no parlamento. Na prática, os políticos elegem-se a si próprios e nunca foram verdadeiramente sujeitos ao escrutínio democrático. Os cidadãos devem revoltar-se contra esta partidocracia que os tenta reduzir à condição de "cidadão escravo fiscal". Devem exigir poderes de ESCRUTÍNIO: abertura das eleições a cidadãos fora dos partidos e listas eleitorais abertas à ordenação pelos eleitores, por meio de votos nominais.

António Fonseca 06.06.2016

A Catarina o que vai dizer...não concordamos mas assinamos para o bem dos portugueses. A partir de agora nos só assinamos o que é bom para os portugueses, o que e o caso.

barco 06.06.2016

fazem bem o que è que essas garotas da porcaria do BE percebem de economia? elas nem da casa delas percebem quanto mais de economia

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub