Impostos Revisão do IRS não visa baixar impostos às famílias

Revisão do IRS não visa baixar impostos às famílias

Ministra das Finanças diz que o tema não foi sequer abordado com a troika durante esta avaliação.
Revisão do IRS não visa baixar impostos às famílias
Miguel Baltazar/Negócios

A revisão das regras do IRS que o Governo vai levar a cabo não tem por objectivo aliviar a carga fiscal sobre as famílias, esclareceu esta sexta-feira a ministra de Estado e das Finanças. Maria Luís Albuquerque adiantou ainda que o tema nem foi abordado com a troika durante a décima primeira avaliação.

 

Durante a conferência de imprensa agendada para fazer o balanço da penúltima passagem da troika por Lisboa, no âmbito do programa de assistência financeira, foi perguntado à ministra das Finanças como é que o Governo tinha conseguido convencer os credores externos de uma descida da carga fiscal no IRS.

 

Maria Luís Albuquerque foi lapidar: o objectivo da comissão de reforma do IRS é fazer “uma análise do imposto propriamente dito de forma a, de acordo com o programa do governo, poder adequar a estrutura do imposto aos objectivos de política económica. Não foi criada para baixar as taxas de imposto”.

 

Adiantou ainda que “o tema não foi sequer abordado durante esta avaliação”.

 

Paulo Portas ouviu e não contrariou

 

A constituição de uma comissão de revisão do IRS foi anunciada no último trimestre do ano passado, depois de o Governo ter sido criticado por ter dado prioridade às empresas, em detrimento das famílias – no IRC uma das linhas de acção passou, precisamente, pela descida acentuada da carga fiscal para conferir mais competitividade às empresas.

 

Desde então, o vice-primeiro-ministro Paulo Portas e outros governantes do CDS têm repetido que é preciso tornar o imposto mais amigo das famílias com filhos e aliviar o imposto a quem quer trabalhar mais e empreender. Paulo Portas já afirmou também que quer começar o desagravamento fiscal ainda nesta legislatura, em 2015.

 

Mas, ao lado da ministra das Finanças esta sexta-feira, Paulo Portas ouviu e não a contradisse.

 

A comissão para a revisão do IRS ainda não tomou posse. Sabe-se que terá o professor da Universidade Católica Rui Morais a presidi-la. 




A sua opinião66
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 28.02.2014

As comissões são uns "tachos" para os amigos ganharem uns milhares de euros sem terem de fazer nada, a não ser dizer aquilo que o governo quer que eles digam - para isto há dinheiro no orçamento, assim como também há para os políticos e amigos colocados nos cargos através de uns concursos "manhosos" na cresap.
Só não há dinheiro para pagar dignamente aos reformados e a alguns funcionários públicos, nomeadamente os que trabalham nos serviços que são oferecidos gratuitamente aos cidadãos - administrativos, auxiliares, enfermeiros, professores, etc. - a mão de obra tem de ser barata, para que os serviços sejam gratuitos para os cidadãos !!!

comentários mais recentes
SUCESSO ! PORTUGAL PASSA A SER O NONO PAÍS MAIS POBRE DA EUROPA 02.03.2014

Piores que os portugueses apenas ficam oito parceiros comunitários. Do mais para o menos pobre são: Bulgária, Roménia, Croácia, Hungria, Polónia, Letónia, Grécia e Estónia.
Segundo o Eurostat, o poder de compra em Portugal é idêntico ao de Malta que está 22% abaixo da média europeia, enquanto o da Grécia, por exemplo, situa-se 5% abaixo ! NÃO SOMOS GREGOS ! ESTAMOS BEM PIORES !

Anónimo 02.03.2014

antes pelo contrário!

COCAS 02.03.2014

Revisão do IRS não visa baixar impostos às famílias, afirma a MF. Antes pelo contrário dirão os contribuintes ....

Anónimo 02.03.2014

Continuem a votar neles, que eles continuam a vos entalar.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub