IMI Idosos obrigados a sair de casa perdem isenção de IMI
IMI

Idosos obrigados a sair de casa perdem isenção de IMI

Uma alteração à Lei prevista na proposta de Orçamento do Estado para 2016 obriga a que os proprietários tenham a residência fiscal nos prédios para manterem o direito ao benefício fiscal.
Idosos obrigados a sair de casa perdem isenção de IMI
Bloomberg
Filomena Lança 25 de fevereiro de 2016 às 19:03

Os idosos com rendimentos baixos e proprietários de imóveis de baixo valor que sejam obrigados a mudar-se para um lar ou a ir viver com os filhos arriscam perder a isenção de IMI a que tenham direito. É a consequência de uma proposta de alteração ao Estatuto dos Benefícios Fiscais contida na proposta de Orçamento do Estado para 2016 que altera os requisitos para a atribuição do benefício.

 

Em causa está o benefício que é atribuído no caso de prédios de reduzido valor patrimonial propriedade de contribuintes com baixos rendimentos. A proposta de OE acrescenta uma nova regra ao regime agora em vigor e passa a prever que só haverá lugar a isenção para os prédios urbanos afectos à habitação própria e permanente do contribuinte ou do seu agregado familiar nos quais esteja fixado o respectivo domicílio fiscal.

 

Ora, alerta o fiscalista Manuel Faustino, o domicílio fiscal é aquele que consta do Cartão do Cidadão. E um idoso que tenha de deixar a sua casa para ir viver para um lar, é obrigado a mudar a residência para efeitos de Segurança social, exemplifica. O mesmo acontece se se mudar para casa de um filho, por exemplo. Caso isso implique ir para uma terra diferente, terá igualmente de mudar a morada, para poder ter acesso a médico de família. Em ambos os casos a alteração de morada implicará automaticamente que seja fixado um novo domicílio fiscal.

 

O benefício em causa aplica-se desde que o valor patrimonial tributário global da totalidade dos prédios rústicos e urbanos pertencentes ao agregado familiar não exceda 10 vezes o valor anual do IAS, ou seja, 66.500  euros. O outro requisito é que  o rendimento bruto total do agregado familiar não seja superior a 2,3 vezes o valor anual do IAS, ou seja, 15.295 euros.

 

Manuel Faustino alertou para o facto numa conferência sobre o Orçamento do Estado para 2016 realizada esta quinta-feira, 25 de Fevereiro, no Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal, na Faculdade de Direito de Lisboa.

 

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, também presente na conferência, salientou a importância de o benefício poder ser atribuído de forma automática, evitando que tenham de ser os próprios proprietários a pedi-lo anualmente. 

(Notícia alterada a 26 de Fevereiro, 10:55. corrige valores dos requisitos para a atribuição do benefício.)


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Não pagamos 08.08.2016

O estado-ladrão no seu melhor. Sou defensor da fuga aos impostos.

Anónimo 26.02.2016

nao deviamos pagar o imi ja temos as casas pagar ainda temos que pagar ladroes so sabem roubar quem trabalha
vergonha qualquer dia e todos meses como uma renda esta muito mal nao deviamos pagar nada de nada so ladroes

Func.publico condenado a 48 anos trabalho/desconto 26.02.2016

TODOS DEVEM SER OBRIGADOS A PAGAR IMI ATUALIZADO INCLUINDO OS CIGANOS E PESSOAL DOS BAIRROS SOCIAS COM CASA DENTRO DA URBE. EU ESTOU FARTO DE SUSTENTAR CHULE..COS

Anónimo 25.02.2016

POR LEI, A TAXA DE IMI SOBRE A PRIMEIRA CASA DE HABITAÇÃO NÃO DEVIA SER SUPERIOR A 0,2% DO VPT, NAS CASAS SECUNDARIAS JÁ DEVIA SER DE 0,5% A TAXA MÁXIMA. EM PORTUGAL, VIVE-SE SÓ PARA PAGAR CONTAS E IMPOSTOS DE TUDO E MAIS ALGUMA COISA, SOMOS UNS ESCRAVOS DO SISTEMA.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub