IRC Empresas com lucros acima de 35 milhões pagarão mais IRC
IRC

Empresas com lucros acima de 35 milhões pagarão mais IRC

O aumento da derrama estadual para empresas mais lucrativas será apresentada durante a discussão na especialidade do Orçamento do Estado. PCP garante que o Governo se comprometeu a viabilizar a medida.
Empresas com lucros acima de 35 milhões pagarão mais IRC
Miguel Baltazar
Elisabete Miranda 13 de outubro de 2017 às 15:46

O Governo resistiu, mas terá acabado por ceder às pressões dos parceiros à sua esquerda para aumentar o IRC às empresas com maiores lucros. A medida não constará da proposta de Orçamento do Estado para 2018 mas será apresentada na discussão na especialidade, e, segundo garante o PCP, tem aprovação garantida.

 

"Há o compromisso com o PCP de que a proposta seja votada favoravelmente na especialidade" adiantou ao Negócios fonte oficial comunista. A garantia foi dada aos comunistas pelo Governo relativamente ao sentido de voto dos deputados do PS, que, na hora de votarem a medida, darão o seu aval.

Além do PCP, também o Bloco de Esquerda (BE) se tem empenhado na viabilização desta medida, com o argumento de que gera receita adicional para financiar devoluções de rendimento como acontece no IRS, mas também por razões de justiça fiscal. O partido sustenta que o regime de reavaliação de activos lançado no ano passado acabou por beneficiar essencialmente as grandes empresas, como a EDP, e que é preciso reverter esse proveito de novo para os cofres públicos. 

A derrama será uma forma de concretizar este objectivo. Em causa está o agravamento da taxa de 7% para 9% para quem tem lucros tributáveis superiores a 35 milhões de euros - o último dos três escalões existentes. Este adicional distingue-se do IRC normal porque incide não sobre o lucro mas sobre o lucro tributável (ou seja, é possível uma empresa apresentar prejuízos fiscais, não pagar IRC e pagar derrama) e porque é calculada apenas sobre o excedente (e não sobre a totalidade dos 35 milhões de euros).

Criada no tempo de José Sócrates como uma medida temporária, destinada a acorrer à crise que então despontava, esta taxa agravada de IRC manteve-se até hoje e parece estar para ficar. 




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SALAZAR Há 1 semana

SOU E SEMPRE FUI TOTALMENTE A FAVOR DAS EMPRESAS PAGAREM MENOS IMPOSTOS POIS TAL SERIA PARA O BEM DOS TRABALHADORES, DA SOCIEDADE, DO PAÍS. MAS EM PT A VERDADEIRA INICIATIVA PRIVADA ESTÁ NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. AS "GRANDES" NÃO PASSAVAM DE CORRUPTAS QUE VIVEM À CONTA DO SISTEMA PODRE.

Os que defendem as pobres empresas Há 1 semana

que geram lucros acima de 35 milhões de € são os mesmo que calavam, quando (por exemplo) as produtoras de eletricidade eram subsidiadas pelo estado para vender ao preço que queriam a mesma eletricidade. Com este orçamento essas empresas terão de pagar imposto sobre os produtos ´necessários para prod

A boçalidade não tem limites, roçando Há 1 semana

a estupidez. Este aumento de imposto diz respeito a lucros líquidos que não sejam investidos. Ou seja se uma empresa tiver 40 milhões de lucro líquidos, o imposto é cobre os 40 milhões, se investir na própria empresa (por exemplo) 10 milhões, o imposto será de 30 milhões. É assim que sempre devia se

Por interpostas pessoas que fazem um Há 1 semana

triste papel, vêm algumas empresas fazer o choradinho do "NÃO AOS EUMENTOS" afinal de contas não são os que geram mais lucros, os que mais ganham e os que acumulam mais fortuna, que devem suportar um peso maior nas contribuições. Estes são os mesmos que criticam o País quando a coisa corre mal.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub