IRS Jerónimo de Sousa: "Não foi por causa do IRS" que os jovens emigraram
IRS

Jerónimo de Sousa: "Não foi por causa do IRS" que os jovens emigraram

O secretário-geral do PCP apontou hoje a falta de emprego e de "salários justos" como as causas da emigração, rejeitando que tenha sido o nível do IRS a forçar os portugueses a sair do país.
Jerónimo de Sousa: "Não foi por causa do IRS" que os jovens emigraram
Lusa 27 de agosto de 2018 às 23:32

"Aqueles que partiram forçados durante quatro anos, particularmente os jovens, que foram massacrados nos seus direitos, nos seus salários, nos seus vínculos, tiveram que rumar ao estrangeiro, mas não foi por causa do nível do IRS, foi por razões de falta de emprego, por falta de salários justos", disse à agência Lusa Jerónimo de Sousa, durante uma visita às Festas de Corroios, no Seixal.

 

No sábado, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Orçamento de Estado para 2019 terá "incentivos fortes" para fazer regressar a Portugal quem emigrou de 2011 a 2015, desde benefícios fiscais a deduções dos custos do regresso.

 

"No próximo Orçamento do Estado iremos propor que todos aqueles que queiram regressar [...] fiquem durante três a cinco anos a pagar metade da taxa do IRS que pagariam e podendo deduzir integralmente os custos da reinstalação", disse António Costa na "Festa de Verão do PS, que decorreu em Caminha.

 

Para Jerónimo de Sousa os emigrantes não vão regressar "só por uma questão de IRS", mas por "garantias de emprego, melhores salários e melhores direitos de combate à precariedade".

 

O dirigente sublinhou ainda que "aqueles que cá ficaram não podem ser penalizados só porque cá ficaram no seu país".

 

O líder comunista abordou também a questão do Orçamento para a Cultura que, segundo António Costa, será o "maior de sempre".

 

"Os trabalhadores da cultura, das artes, reivindicam pelo menos um por cento do Orçamento para que possam cumprir a sua missão de valorização da nossa cultura e é por isso que o anúncio de António Costa tem significado, resta saber se esse avanço é suficiente para dar resposta aos problemas da nossa cultura", considerou.

 

"Da nossa parte vamos lutar para que este Orçamento corresponda a um avanço, tendo em conta aquilo que são os anseios de todos aqueles que fazem parte da cultura, do património e da arte", garantiu.

 

 




pub