Justiça Activista Luaty Beirão de regresso a casa

Activista Luaty Beirão de regresso a casa

O activista luso-angolano Luaty Beirão passa esta sexta-feira ao regime de prisão domiciliária, assim como os outros 15 activistas detidos em Luanda. Preso desde Junho, Luaty considera a nova medida de coacção “um grande ganho”.
Activista Luaty Beirão de regresso a casa
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios com Lusa 18 de dezembro de 2015 às 17:33

Seis meses depois de ser detido em Luanda, o músico e activista luso-angolano Luaty Beirão regressa a casa e fica em prisão domiciliária. Em declarações à agência Lusa, referiu que é sempre melhor poder estar ao pé da família, sobretudo poder estar com a filha que não vê desde Junho.

Luaty integra um grupo de 17 arguidos acusados de actos preparatórios de rebelião e de atentado contra o presidente angolano José Eduardo dos Santos.

O caso do luso-angolano ganhou uma dimensão internacional e despertou uma onda de solidariedade após este ter iniciado uma greve de fome – que durou 36 dias e obrigou à sua transferência da cadeia para uma clínica privada de Luanda – em protesto contra o que argumentava ser o excesso da prisão preventiva, exigindo aguardar julgamento em liberdade, como prevê a lei angolana. 

Escreve a Lusa que o juiz Januário Domingos ordenou esta sexta-feira a emissão de mandados de condução dos réus, devendo ainda hoje os 15 activistas detidos - duas respondem em liberdade provisória - seguir para as residências declaradas em tribunal para a aplicação do regime de prisão domiciliária.

Do tribunal, os réus seguiram para o Hospital Cadeia de São Paulo, onde os familiares aguardavam para seguirem para as respectivas residências, em ambiente festivo, adianta a agência.

"Fico parcialmente satisfeita só de saber que numa época festiva ele estará perto de nós, mas não deixa de ser preocupante, porque ele ainda continuará preso, dentro de casa e com as limitações que implicam a nova medida de coacção", disse à Lusa Mónica Almeida, esposa de Luaty Beirão.

Menezes Cassoma, porta-voz dos Serviços Prisionais informou que a execução da nova medida de coacção será garantida por mais de 150 agentes da autoridade. Não está prevista para já a utilização de pulseiras electrónicas pelos réus. Questionado se os réus podem receber visitas, Menezes Cassoma referiu que apenas os proibidos pelo tribunal não podem manter contacto com os mesmos.

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Notícias Relacionadas
pub
pub
pub