Justiça PGR confirma diligências no seu departamento informático no âmbito da "Operação Fizz"

PGR confirma diligências no seu departamento informático no âmbito da "Operação Fizz"

A Procuradoria-Geral da República também foi alvo de buscas no âmbito das investigações à Operação Fizz.
PGR confirma diligências no seu departamento informático no âmbito da "Operação Fizz"
Bruno Simão/Negócios
Lusa 27 de Fevereiro de 2016 às 14:53

A Procuradoria-Geral da República confirmou este sábado, 27 de Fevereiro, a realização de diligências de pesquisa no seu departamento de informática, no âmbito da "Operação Fizz" que levou à prisão do procurador do Ministério Público Orlando Figueira.

"Ao abrigo do disposto no art.º 86, n.º 13, alínea b) do Código de Processo Penal, confirma-se a realização, no departamento de informática da Procuradoria-Geral da República, de diligência de pesquisa em meio informático, judicialmente autorizada nos termos do disposto nos art.ºs 16.º e 17.º da Lei n.º 109/2009 de 15 de setembro", refere a PGR.

O jornal Público noticia este sábado que, "na terça-feira, procuradores acompanhados por elementos da Polícia Judiciária (PJ) estiveram na PGR para recolher informação electrónica, já que é naquele edifício que estão localizados os servidores que suportam a rede do Ministério Público (MP) e armazenam, entre outras coisas, o correio electrónico dos procuradores".

Os investigadores, acrescenta o jornal, estiveram a analisar e a pesquisar emails e outros registos informáticos, já que também estão guardados na PGR processos-crime digitalizados e cópias de segurança.

Orlando Figueira está em prisão preventiva desde quinta-feira, depois de ter sido ouvido no âmbito do inquérito relativo à "Operação Fizz", que tem três arguidos constituídos: o procurador, o advogado Paulo Blanco e uma pessoa colectiva.

O advogado Paulo Blanco representou o vice-presidente de Angola na compra de um apartamento no edifício Estoril Sol, em 2012, e o seu escritório de advocacia foi alvo de buscas na terça-feira.

Segundo o Ministério Público, os factos em investigação na "Operação Fizz" indiciam suspeitas de prática dos crimes de corrupção passiva, na forma agravada, corrupção activa na forma agravada, branqueamento de capitais e falsidade informática.

Orlando Figueira - em licença sem vencimento desde 2012 e a trabalhar na banca - foi o procurador responsável pelos processos "BES Angola" e "Caso Banif", que arquivou, relacionados com capitais angolanos e, segundo fontes ligadas ao processo, é suspeito de ter favorecido processos em Portugal relacionados com o vice-presidente angolano Manuel Vicente.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Maria Valentina Umer 27.02.2016

Como Portuguesa-Ingesa com raízes na Alemanha, espero que os corruptos portugueses sajam levados á justica. Todos! Principalmente um Procurador Geral que deveria dar o exemplo. Que a GNR, ou quem ainda controla Portugal , lhes faca um processo devido. Esta corruptcao tem que acabar.

pub
pub
pub
pub