Justiça Tribunal confirma condenação de ex-administradores do BCP

Tribunal confirma condenação de ex-administradores do BCP

Antigos administradores do BCP vão ter mesmo de pagar 2,82 milhões de euros em coimas ao Banco de Portugal. O tribunal confirmou a condenação dos ex-administradores do BCP no processo interposto pelo regulador, no caso das "offshores", confirmou o Negócios junto dos advogados dos arguidos.
Tribunal confirma condenação de ex-administradores do BCP
Maria João Gago 29 de Agosto de 2014 às 12:35

As condenações dos ex-administradores do BCP foram confirmadas, esta sexta-feira, pelo tribunal. De fora está Jardim Gonçalves, cujo processo já tinha prescrito, tal como o de Luís Gomes, antigo director do banco.

 

A sentença, que confirma a condenação dos ex-administradores do BCP, no caso da "off shores", foi lida esta sexta-feira, 29 de Agosto. 

 

O tribunal confirmou todas as contra-ordenações determinadas pelo Banco de Portugal aos antigos gestores do BCP: Filipe Pinhal, Christopher Beck, António Rodrigues, António Castro Henriques e Alípio Dias.

 

Já o BCP, que também era arguido neste processo, viu a coima reduzida de cinco para quatro milhões de euros. Os antigos administradores do BCP terão assim de pagar um total de 2,82 milhões de euros, além das inibições do exercício de funções de gestão bancária.

 

Ao que o Negócios apurou o juiz, António da Hora, sublinhou que nenhum dos arguidos teve benefício pessoal com este processo. 

 

A decisão do tribunal de 1ª instância pode ser alvo de recurso para o Tribunal da Relação.

 
Coimas e inibições aplicadas
Filipe Pinhal - O supervisor condenou o antigo líder do banco a sete anos de inibição e a uma coima de 425 mil euros;
 

Christopher de Beck - O BdP condenou Beck a pagar uma coima de 750 mil euros e a nove anos de inibição do exercício de funções bancárias;

 

António Rodrigues - Recebeu a segunda pena mais pesada do BdP. Foi condenado a pagar 875 mil euros e ficou inibido da gestão bancária por nove anos;

 

António Castro Henriques - Recebeu a pena mais leve do BdP, que o condenou a pagar uma coima de 230 mil euros e a três anos de inibição de gestão bancária;

 

Alípio Dias - O supervisor bancário condenou-o a pagar uma coima de 540 mil euros e a quatro anos de inibição;

 

BCP - Foi condenado pelo supervisor a pagar uma coima de cinco milhões de euros, que o tribunal reduziu para quatro milhões.

(Notícia corrigida às 15h35. O processo de Luís Gomes já tinha prescrito, o que fez baixar o valor total das coimas aplicadas de 3,47 milhões de euros para 2,82 milhões).

 

(Notícia actualizada às 12h45 com a informação detalhada sobre as coimas e inibições aplicadas a cada arguido).

 




A sua opinião62
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Luis P 29.08.2014

"De fora está Jardim Gonçalves, cujo processo já tinha prescrito." LOL Ricardo Salgado será o próximo a prescrever.

comentários mais recentes
Anónimo 31.08.2014

para inglês ver ...

Anónimo 31.08.2014

Todo o portugues save que aqui o que desviar muito não pode ser condenado e tem todos os direitos para o proteger, caso contrario não pode fazer sua distribuição e ficaria muita gente a perder. Ai se esquecesse de pagar alguma mini quantia ao estado e ja este aplicava uma boa quantia de multa e era logo na data pinhorado.

Anónimo 30.08.2014

Então e o Jardim Gonçalves, o bandido môr, safa-se!? Só em Portugal!...e cadeia, nada!?

Maria Cordes 30.08.2014

Jardim Gonçalves foi salvo pela oração, aquela missa diária, ser da OPUS DEI, e se calhar, fazer como o delfim, matinalmente, ajoelhar e beijar o chão, (palavra que li isto numa entrevista dada pelo delfim), salvou-o da justiça. Se começássemos a exportar gente desta para a Síria, um barco não chegava.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub