Justiça Validade do cartão de cidadão duplica a partir dos 25 anos

Validade do cartão de cidadão duplica a partir dos 25 anos

Alteração resulta da aprovação de uma proposta de lei que procede à alteração das normas relativas ao documento de identificação. "Por razões tecnológicas e de segurança", o Governo não quer, porém, criar documentos vitalícios.
Validade do cartão de cidadão duplica a partir dos 25 anos
Bruno Simão/Negócios
Lusa 20 de maio de 2016 às 12:44
Os cartões de cidadão emitidos para maiores de 25 anos passam a ser válidos por 10 anos, contra os actuais cinco, nos termos de uma proposta de lei aprovada na quinta-feira em Conselho de Ministros, foi hoje anunciado.

Segundo se lê no comunicado divulgado hoje pela Presidência do Conselho de Ministros, na reunião de quinta-feira "foi aprovada uma proposta de lei que procede à alteração das normas relativas ao Cartão de Cidadão, à sua emissão e utilização, ao sistema alternativo e voluntário de autenticação dos cidadãos nos portais e sítios na Internet da Administração Pública, denominado chave móvel digital, assim como a simplificação dos pedidos para a emissão de passaportes".

Conforme adiantou hoje à agência Lusa fonte oficial do Governo, a principal alteração prevista na proposta de lei tem a ver com a extensão de cinco para 10 anos da validade do Cartão de Cidadão para maiores de 25 anos, o que surge como solução alternativa à criação de cartões vitalícios, que o Governo entende não ser "desejável".

No passado dia 05 de Abril a ministra da Presidência e Modernização Administrativa havia já revelado, na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias da Assembleia da República, que a tutela iria apresentar uma proposta lei prevendo um aumento do prazo de validade dos cartões de Cidadão, afirmando na altura que, "por razões tecnológicas e de segurança", o Governo entende que "não é desejável" criar documentos vitalícios.

Na altura, Maria Manuel Leitão Marques afirmou que a extensão da validade do Cartão de Cidadão "permitirá assegurar uma redução de custos e de deslocações para a generalidade dos cidadãos, eliminando em média seis renovações ao longo da vida, o que a preços actuais representará uma economia de 90 euros por cidadão".

A ministra disse ainda que o Governo pretende reduzir o número de deslocações aos serviços, estando previsto o "alargamento da abrangência do balcão móvel de emissão do cartão para cidadãos com mobilidade reduzida".

A proposta de lei agora aprovada propõe-se ainda generalizar a utilização da chave móvel digital e da assinatura digital, estando também previsto o envio automático de uma mensagem ou de um 'e-mail' com a indicação da necessidade de renovação do cartão, quando este esteja próximo do fim da sua validade.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 dia


O ATENTADO das FP 35

Sonho para uns e pesadelo para os outros

A FP volta às 35 horas, salários altos e muitas outras benesses...

enquanto os privados trabalham 40, com salários muito mais baixos, e ainda tem que pagar impostos cada vez mais altos para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

comentários mais recentes
rosinda Há 1 dia

a validade de de cartao cidadao e mais justa!Os funcionarios da loja de cidadao sao capazes de nao gostar muito! Por muito que o costa se esforce vai encontrar sempre inimigos!
Aquele optimismo que o costa procura mostrar todos os dias e herritante como disse o presidente da republica!

Anónimo Há 1 dia


O ATENTADO das FP 35

Sonho para uns e pesadelo para os outros

A FP volta às 35 horas, salários altos e muitas outras benesses...

enquanto os privados trabalham 40, com salários muito mais baixos, e ainda tem que pagar impostos cada vez mais altos para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

Anónimo Há 1 dia

"Por razões tecnológicas e de segurança, o Governo não quer, porém, criar documentos vitalícios."

E também de ordem monetária, pois deixariam de receber dinheiro pelos cartões

pub
pub
pub
pub