LEX Jorge Pereira da Silva: "Nas áreas jurídicas há muito emprego"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
LEX

Jorge Pereira da Silva: "Nas áreas jurídicas há muito emprego"

Jorge Pereira da Silva, director da escola de Direito da Católica em Lisboa, rejeita a ideia de que há excesso de licenciados neste campo do saber. Diz até que "nas áreas jurídicas há muito emprego".
Jorge Pereira da Silva: "Nas áreas jurídicas há muito emprego"
Bruno Simão
João Maltez 26 de outubro de 2017 às 11:00

Nos 40 anos, a escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa "está bem na vida". Quem o diz é o seu director, Jorge Pereira da Silva. O docente que lidera o estabelecimento de ensino onde fez a licenciatura

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
31 Há 4 semanas

Só a cargo do Sócrates e do Salgado e dos acusados nesse processo devem ser uns 300 advogados Depois os do BPN e ....até nem dá pra lembrar . Vai haver uma transferência do dinheiro roubado para dinheiro limpo nos bolsos dos advogados .O Carlos Alexandre é um deus para os advogados

Anónimo Há 4 semanas

Há poucas semanas o jornal de negócios informava os leitores que não havia mão-de-obra para apanhar maçã no Douro português. As juntas de freguesia, as câmaras municipais, as empresas públicas, a AT, o ISS, a CGD, entre outras, estão desde há muito repletas dessa mão-de-obra...

Anónimo Há 4 semanas

Convém não esquecer que o resgate externo ao excedentarismo e sobrepagamento na banca e no sector público (contribuinte)-dependente em sentido estrito, foi facultado sob condição de se fazerem urgentes e necessárias reformas em termos de mercado de bens e serviços e de factores, incluindo o de capital e o laboral, de modo a que uma correcta e adequada política de gestão de recursos humanos nas organizações portuguesas passasse a ser a norma e não a excepção. Mas para que tal aconteça, toda a corrupção e tráfico de influências que sustentam e alimentam o status quo íniquo e insustentável terão de ser combatidas eficazmente. Caso contrário não sobra dinheiro, nem a crédito, para se investir em Portugal nos muito necessários bens de capital.

Matias Há 4 semanas

Nas áreas jurídicas? Então e no campo?

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub