Angola Bancos angolanos entram em 2016 praticamente sem acesso a divisas

Bancos angolanos entram em 2016 praticamente sem acesso a divisas

Os bancos angolanos entraram em 2016 praticamente sem injecção de divisas pelo Banco Nacional de Angola, que vendeu apenas 7,5 milhões de dólares (6,8 milhões de euros) na primeira semana do ano.
A carregar o vídeo ...
Lusa 11 de janeiro de 2016 às 11:33

A informação consta do relatório semanal do banco central sobre a evolução dos mercados monetário e cambial, ao qual a Lusa teve acesso, relativamente à venda de divisas entre 4 e 8 de Janeiro.

 

Trata-se de um montante equivalente a 5,5% das vendas do BNA na semana anterior (135,1 milhões de dólares), que já então foram de mínimos de 2015.

 

De acordo com a mesma informação, a venda de divisas na primeira semana do ano destinou-se à "cobertura de operações" da empresa pública Rede Nacional de Transporte de Electricidade (RNT) e foi concretizada a uma taxa de câmbio média de 156,387 kwanzas (92 cêntimos) por cada dólar, inalterada face à última semana de 2015.

 

Angola enfrenta uma crise financeira e económica face à redução de receitas fiscais do petróleo, e por consequência cambial, devido à redução da entrada de divisas no país, necessárias para garantir as importações de máquinas, matéria-prima e alimentos.

 

Persiste a forte redução da disponibilidade de moeda estrangeira no país, sendo o montante vendido aos bancos limitado às necessidades mais urgentes do sistema bancário e que obrigam a autorização do banco central.

 

Alguns bancos angolanos limitaram a venda de divisas a clientes a um máximo de 1.000 dólares (918 euros) por semana e bancos norte-americanos têm vindo a anunciar a suspensão de venda de dólares a Angola.

 

Com as dificuldades no acesso a moeda estrangeira nos bancos, o mercado paralelo, de rua, apresenta taxas de câmbio que rondam os 270 kwanzas por cada dólar, para compra de moeda estrangeira.

 

A falta de divisas, em função da procura, continua a dificultar, por exemplo, as necessidades dos cidadãos que precisam de fazer transferências para o pagamento de serviços médicos ou de educação no exterior do país ou que viajam para o estrangeiro.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos 11.01.2016

Em Angola os bancos angolanos estão todos secos TES.OS de dólares e euros, só tem toneladas de Kwnazas que são muitos bons para limpar os rabio,sques.
Cada um que se cuide pois Angola está em bancarrota total, governada por super gatunos e super corruptos.

comentários mais recentes
investidor1 15.01.2016

Muito obrigado!
http://goo.gl/forms/xI11s10wbG

Anónimo 14.01.2016

A afirmação «~155 kwanzas por cada dólar, inalterada face à última semana de 2015.» está errada, pois foi a 1 de Janeiro que o BNA o anunciou, antes era de ~135 essa sim, que se manteve inalterada por bastantes semanas.

Anónimo 11.01.2016

ajuda?

onde pára o FMI?...

FMI?

Gatunos 11.01.2016

Em Angola os bancos angolanos estão todos secos TES.OS de dólares e euros, só tem toneladas de Kwnazas que são muitos bons para limpar os rabio,sques.
Cada um que se cuide pois Angola está em bancarrota total, governada por super gatunos e super corruptos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub