Angola Miguel Relvas critica em Luanda "não processo" contra Manuel Vicente

Miguel Relvas critica em Luanda "não processo" contra Manuel Vicente

O ex-ministro do PSD Miguel Relvas defendeu esta sexta-feira, em Luanda, que o caso que corre em Portugal contra o ex-vice-Presidente angolano Manuel Vicente é um "não processo", defendendo a transferência do mesmo para a Justiça angolana.
Miguel Relvas critica em Luanda "não processo" contra Manuel Vicente
Lusa 12 de janeiro de 2018 às 20:50

"Não tenho razão nenhuma para não confiar na Justiça angolana. Confio na Justiça angolana como confio na Justiça portuguesa", disse o também ex-secretário-geral do PSD, numa entrevista divulgada esta sexta-feira pelo principal telejornal da Televisão Pública de Angola (TPA). 

 

O político, antigo ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares e actualmente com presença assídua em Luanda, descreve este caso, que ameaça as relações entre os dois países, como "institucionalmente inexplicável" e que "não é compreensível".

 

No processo "Operação Fizz", Manuel Vicente é acusado de ter pago 760 mil euros a Orlando Figueira, quando este era procurador no Departamento Central de Investigação e Acção Penal para obter decisões favoráveis.

 

O início do julgamento está marcado para 22 de Janeiro, em Lisboa, estando Manuel Vicente pronunciado por corrupção activa em co-autoria com Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais, em co-autoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira e falsificação de documento, com os mesmos arguidos.

 

"Conheço o engenheiro Manuel Vicente, conheci no passado no desempenho de funções, e tenho a certeza que seria incapaz de cometer, como se irá provar, muitas das acusações que lhes são imputadas", disse Miguel Relvas na mesma entrevista, sublinhando que "os Estados respeitam-se" e que esta é "uma questão do Estado português", mesmo que na esfera do poder judicial.

 

Apontou mesmo que a polémica em torno deste processo "já está a causar" dificuldades às relações bilaterais: "Espero que se ultrapasse, que este processo seja rápido e se conclua de uma forma rápida e que a verdade venha ao de cima (...) Factualmente foi um não processo".

 

O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou na segunda-feira que as relações entre Portugal e Angola vão "depender muito" da resolução do processo de Manuel Vicente e classificou a atitude da Justiça portuguesa como "uma ofensa" para o seu país. "Lamentavelmente [Portugal] não satisfez o nosso pedido, alegando que não confia na Justiça angolana. Nós consideramos isso uma ofensa, não aceitamos esse tipo de tratamento e por essa razão mantemos a nossa posição", enfatizou João Lourenço.

 

Para a defesa do ex-governante angolano, as questões relacionadas com Manuel Vicente deviam ser analisadas pela justiça angolana, apontando mecanismos previstos no Direito Internacional e nos Direitos internos em matéria de cooperação judiciária.

 

Contudo, o juiz titular do processo 'Operação Fizz' concordou com a posição do Ministério Público (MP) em recusar a transferência do processo para Angola, decisão que foi objecto de recurso para a Relação.

 

Em resposta à agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República (PGR) refere que, "no essencial, o juiz titular do processo concordou com a posição do Ministério Público, indeferindo a transmissão requerida pelo suspeito", mas esta decisão judicial "foi objecto de recurso para o Tribunal da Relação de Lisboa" pela defesa de Manuel Vicente, acusado de corrupção.

 

A PGR explicou à Lusa que a decisão de rejeitar a transmissão do processo para Angola fundamentou-se no facto de as autoridades angolanas terem dito "não haver qualquer possibilidade de cumprimento de eventual carta rogatória que, porventura, lhes fosse endereçada para audição e constituição como arguido de Manuel Vicente, por considerar que o mesmo é detentor de imunidade".

 

Baseou-se também na comunicação de que factos de que Manuel Vicente é acusado estariam abrangidos, em Angola, pela Lei da Amnistia.




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Desanimado 15.01.2018

Ó relvas tens "facilitado" muitos negócios?? As comissões são boas?? Quantos tens de untar para as facilitações?? Pagas em offshores ou em malas de dinheiro?? A quem já "facilitaste"?? Os retornos são bons?? Conta lá prá gente quais são os melhores offshores para fazer trafulhices?? ahahahahahaha...

comentários mais recentes
Anónimo 24.01.2018

Bem se não confiam na justiça de Angola não deviam também investir na sua economia submetida a regras diferentes das portuguesas,Culpado , inocente ou amnistiado é da responsabilidade de Angola.Há um lobbie anti angola em Portugal q deu origem a isto ,agora desembaracem-se.

Camponio da beira 17.01.2018

A escumalha defende-se.Onde param os 6 milhões da fraude detectada por Brixelas na tecnoforma? Por Bruxelas, porque cá é mais ou menos como em Angola é tudo arquivado só demora mais tempo para teatro.

C 17.01.2018

Hollywood à portuguesa !
A atitude de Portugal em relação a este caso com Angola, faz lembrar aquelas gajas de Hollywood que agora se queixam de assédio sexual, quando toda a gente sabe que elas são todas umas p.tas ....que se deitam com quem lhes der um papel num filme !!!

Desanimado 15.01.2018

Ó relvas tens "facilitado" muitos negócios?? As comissões são boas?? Quantos tens de untar para as facilitações?? Pagas em offshores ou em malas de dinheiro?? A quem já "facilitaste"?? Os retornos são bons?? Conta lá prá gente quais são os melhores offshores para fazer trafulhices?? ahahahahahaha...

ver mais comentários
pub