África Mandela: PCP e BE lembram voto contra resolução da ONU pelo governo de Cavaco Silva

Mandela: PCP e BE lembram voto contra resolução da ONU pelo governo de Cavaco Silva

PCP e BE lembraram hoje no parlamento que Portugal, então governado por Cavaco Silva, votou contra em 1987 uma resolução das Nações Unidas para a libertação de Nelson Mandela.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Lusa 06 de dezembro de 2013 às 15:09

A Assembleia da República aprovou hoje por unanimidade um voto subscrito por todos os grupos parlamentares e pela presidente, Assunção Esteves, ao qual o Governo se associou, com a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, em que expressa "profundo pesar" ao povo e autoridades sul-africanas pela "perda de um estadista universal" e envia condolências à família, em particular, à viúva, Graça Machel.

 

No período reservado às intervenções dos partidos, o deputado comunista António Filipe defendeu que "a reconciliação pela qual Mandela tanto lutou não pode ser ocultação da história, porque a história tem que ser conhecida precisamente para que não se repita".

 

"Em 1987 quando a Assembleia-geral das Nações Unidas aprovou uma resolução exigindo a libertação incondicional de Nelson Mandela, essa resolução teve 3 votos contra, apenas três votos contra, esses votos contra foram dos Estados Unidos, de Ronald Regan, do Reino Unidos, de Margaret Thatcher, e de Portugal, de Cavaco Silva", afirmou.

 

No mesmo sentido, a deputada do BE Helena Pinto afirmou que "em 1987 Portugal esteve do lado errado, votou contra a libertação incondicional de Nelson Mandela".

 

A deputada bloquista sublinhou, tal como António Filipe havia feito, que o antigo presidente da África do Sul e líder histórico do ANC foi condenado a prisão perpétua, tendo estado preso 27 anos, "considerado terrorista, porque, pela liberdade e pela dignidade do seu povo, nunca hesitou, nem mesmo quando foi preciso pegar em armas".

 

Os deputados do PCP e do BE foram aplaudidos por uma parte substancial dos deputados da bancada do PS.

 

O deputado do PSD António Rodrigues recordou como Nelson Mandela, num espírito de "candura, de uma forma quase discreta" actuou após o fim do 'apartheid', considerando que "encarna em si o exemplo de um verdadeiro cidadão do mundo".

 

"Fez país, fez um Estado e fez Humanidade", declarou.   

 

O líder parlamentar do PS, Alberto Martins, afirmou que Mandela deu "um rosto" à "liberdade, ao combate ao racismo e combate ao 'apartheid', pela democracia e a tolerância" e recordou, como, relativamente à questão de Timor, Nelson Mandela "mais uma vez esteve do lado certo da história"

 

"Foi um herói cívico universal, que em si sintetiza o melhor da dignidade humana e da liberdade", disse.

 

O vice-presidente da bancada do CDS-PP João Almeida sublinhou que "nenhuma homenagem estará à altura do exemplo que foi de liberdade, de esperança e convicção, consequente, libertador e inspirador".

 

"A sua libertação foi libertando povos, a sua serenidade foi libertando extremismos", afirmou, defendendo que Mandela foi "invicto" e "muito superior" aqueles que o prenderam e que, por isso, "o homem que agora parte, jamais morrerá".

 

A deputada do partido "Os Verdes" Heloísa Apolónia considerou que a "grandeza" de Mandela "alarga necessariamente os votos de condolências ao mundo inteiro" e foi aplaudida por todas as bancadas".

 

"É talvez a definição em pessoa de um ser humano virtuoso, detentor de valores humanistas muito claros. Mandela e o ANC foram peças chave ara matar o regime do 'apartheid', não da história, mas da vida das pessoas", afirmou, lembrando o seu espírito de combate mas também o seu "espírito agregador".

 

A morte de Nelson Mandela, aos 95 anos, foi anunciada na quinta-feira à noite pelo Presidente da República da África do Sul, Jacob Zuma, motivando de imediato reacções de pesar a nível mundial.

 

"A nossa nação perdeu o maior dos seus filhos", disse Jacob Zuma, anunciando que a bandeira sul-africana vai estar a meia-haste a partir de hoje e até ao funeral de Estado, marcado para 15 de Dezembro.

 

O Comité Nobel norueguês considerou hoje Nelson Mandela, que esteve preso quase trinta anos pela sua luta contra o regime "apartheid" da África do Sul, "um dos maiores nomes da longa história dos prémios Nobel da Paz".

 

Mandela foi o primeiro Presidente negro da África do Sul, entre 1994 e 1999.




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.12.2013

Até com a morte de Nelson Madela o PCP e o BE querem tirar proveitos politicos. Por vontade destes dois partidos a África do Sul cortava imediatamente relações com Portugal por causa de Cavaco Silva. Tenham vergonha.

comentários mais recentes
Anónimo 07.12.2013

Esta gente de esquerda é manipuladora, incapaz de ser série e honesta. Como é possível esta gente querer ser poder quando são incapazes de dar uma noticia sem a distorcer. Gente baixa e traiçoeira. Não vale tudo em politica, que tristeza

IS 07.12.2013

Os deputados deveriam dedicar-se diariamente a discussões mais relevantes da realidade portuguesa! De qualquer forma gostaria de colocar a seguinte questão: dado que em 1987 o Dr Mário Soares era o PR , o Prof Anibal Cavaco Silva era o PM e o ministro dos Negócios Estrangeiros era o Eng João de Deus Pinheiro, quem foi o responsável(eis) pela decisão de voto de Portugal contra a resolução da ONU que exigia a libertação de Nelson Mandela?

Anónimo 07.12.2013

Mais uma para o curriculum do Cavaco: votar contra a liberação de Mandela; disse que o ordenado não dava para as despesas; Só era depositante do BPN, aldrabou pq era acionista, isto é, DONO; Com essas ações, de favor, Ganhou mais a família centanas de milhares de euros; Fugiu aos impostos na casa da Coelha, à beira dos seus amigos do BPN...

Rui 07.12.2013

haja pachorra para as charadas do sr.silva

ver mais comentários
pub