Américas Oito países proibidos de voar na cabine com tablets ou portáteis para os EUA

Oito países proibidos de voar na cabine com tablets ou portáteis para os EUA

Ao abrigo de regulamentação que será apresentada esta terça-feira, dispositivos maiores que um telemóvel - como computadores portáteis ou tablets - deixam de poder ser transportados na cabine a partir de oito países do Médio Oriente.
Oito países proibidos de voar na cabine com tablets ou portáteis para os EUA
reuters
Paulo Zacarias Gomes 20 de março de 2017 às 22:31

Os passageiros de avião que cheguem aos Estados Unidos provenientes de oito países vão ser proibidos a partir desta terça-feira de transportar consigo para a cabine dispositivos electrónicos de grandes dimensões durante o voo, de acordo com regulamentações que estão a ser preparadas pela administração Trump.


Segundo o Financial Times, dispositivos maiores que um telemóvel - como computadores portáteis ou tablets - deixam de poder ser transportados a partir daquelas origens nas mãos dos passageiros, tendo de ser despachados com a bagagem de porão.

Segundo a Reuters - que refere uma dezena de países e de companhias aéreas abrangidos -, estará em causa uma ameaça terrorista que não foi especificada.

Entre os países afectados pela medida que será anunciada pelo Departamento de Segurança Interna estão a Jordânia, o Egipto, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

A companhia jordana Royal Jordanian Airlines já fez saber aos clientes que, na sequência de pedidos feitos pelas autoridades norte-americanas, os seus passageiros com destino aos EUA não poderão transportar consigo para a cabine aqueles dispositivos.

Segundo o Financial Times, será nos voos da Emirates e da Etihad, a partir do Dubai e Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) que o impacto da medida deverá ser mais sentido, já que a companhia assegura ligação a muitos passageiros que viajam para os EUA a partir da Ásia. 


A medida chega uma semana depois de a nova administração norte-americana ter emitido uma nova versão da sua ordem executiva destinada a travar a entrada de imigrantes provenientes de sete países de maioria muçulmana e suspender a entrada de refugiados. Essa versão tem estado a ser, tal como a primeira, travada nos tribunais. 

(Notícia actualizada às 22:49 com mais informação; título corrigido às 22:37 com indicação de que o transporte não pode ser feito na cabine)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 22.03.2017

Toda a razao foi especeficada; os aeroportos desses paises nao estao equipados com sistemas sofisticados de inspecao desses artigos ;

pub