Ásia Número de pobres na China diminui 14,4 milhões em 2015

Número de pobres na China diminui 14,4 milhões em 2015

O número de chineses rurais que vive abaixo da linha de pobreza, fixada pelo país num rendimento anual inferior a 2.800 yuan (390 euros), diminuiu 14,4 milhões, em 2015, segundo dados oficiais.
Número de pobres na China diminui 14,4 milhões em 2015
Bloomberg
Lusa 29 de Fevereiro de 2016 às 10:26
Segundo o Gabinete Nacional de Estatísticas chinês (GNE), o número de pobres na segunda maior economia do mundo está a diminuir. Mas, apesar das últimas três décadas de acelerado crescimento económico terem transformado a China numa gigante da economia mundial, 55,75 milhões de chineses viviam na pobreza em 2015.

Em comunicado, citado pela Lusa, o GNE detalha que o rendimento anual per capita dos residentes rurais na China fixou-se em 10.772 yuan (1.512 euros), em 2015, menos do que muitos países africanos.

Já em Pequim, uma das mais prósperas cidades chinesas, aquele indicador ultrapassou os 100.000 yuan (quase 14.000 euros).

Entretanto, mais de 17 milhões de residentes urbanos e 49 milhões de rurais beneficiaram de rendimentos mínimos de subsistência, em 2015, apontou o GNE.

"A disparidade entre o campo e a cidade continuou a diminuir. Os salários nas cidades foram 2,73 vezes superiores ao rendimento no campo, uma queda de dois por cento face ao ano anterior", disse o director daquele organismo estatal, Xu Xianchun, citado pela agência oficial Xinhua.

Quase metade dos cerca de 1.370 milhões de habitantes da China vive ainda nas zonas rurais do país.

Em Novembro passado, a liderança do Partido Comunista Chinês anunciou um plano para eliminar a pobreza nas áreas rurais até 2020 e combater a pobreza regional.

Segundo os critérios da ONU, o fosso social na China está fixado acima do "nível alarmante".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub