Mundo  Trump: "Vamos aplicar tarifas de 25% a todos os carros europeus"

Trump: "Vamos aplicar tarifas de 25% a todos os carros europeus"

O presidente dos Estados Unidos reiterou as ameaças à União Europeia na guerra comercial e revelou como conseguiu levar os europeus para a mesa das negociações.
 Trump: "Vamos aplicar tarifas de 25% a todos os carros europeus"
Reuters
Negócios 22 de agosto de 2018 às 11:39

Donald Trump voltou ao ataque na polémica das tarifas comerciais. Apesar da aparente trégua com a Europa, na sequência da reunião com Jean-Claude Juncker em Washington, no final de Julho, o presidente dos Estados Unidos decidiu repetir ameaças.

 

Numa acção de campanha no West Virginia, na noite de terça-feira, Trump revelou a conversa que teve com o presidente da Comissão Europeia a 26 de Julho. "Jean-Claude… está tudo relacionado com os carros", terá dito Trump, deixando depois ao presidente da Comissão Europeia uma ameaça concreta: "Vamos aplicar uma tarifa de 25% a todos os carros da União Europeia que venham para os Estados Unidos".

De acordo com a CNBC e o MarketWatch, Trump aproveitou o discurso perante os seus apoiantes no West Virginia para reiterar estas ameaças, explicando que foi com elas que conseguiu que os europeus aceitassem sentar-se à mesa das negociações.

Trump terá também citado dados errados do comércio entre os EUA e a União Europeia, revelando um défice de 151 mil milhões de dólares (foi de 101 mil milhões de dólares em 2017) e que este passaria a excedente apenas com a aplicação das tarifas nos automóveis.

As declarações de Trump são também contraditórias com uma notícia publicada na terça-feira pelo The Wall Street Journal, que dava conta que o secretário do Comércio, Wilbur Ross, tinha decidido adiar o prazo limite para a publicação de um relatório sobre as tarifas automóveis. Estes relatórios representam o primeiro passo para a introdução de tarifas por parte dos EUA, mas Wilbur Ross explicou que a sua apresentação está suspensa até que fiquem concluídas as negociações com a Comissão Europeia, o México e o Canadá.


Trump já na segunda-feira tinha dado sinais de maior crispação com a Europa, ao afirmar numa entrevista à Reuters que o euro estava a ser manipulado.

 




pub