Mundo China e Irão anunciam parceria estratégica

China e Irão anunciam parceria estratégica

A China e o Irão anunciaram hoje um "novo capítulo" nas relações bilaterais, com um "acordo de parceria estratégica" focado na área comercial e assinado à margem da visita do Presidente chinês Xi Jinping a Teerão.
China e Irão anunciam parceria estratégica
Reuters
Lusa 23 de janeiro de 2016 às 16:22

É a primeira visita de um Presidente chinês ao Irão nos últimos 14 anos e ocorre poucos dias após as sanções internacionais ao país terem sido levantadas, na sequência de um histórico acordo nuclear.

 

"Com a visita do Presidente chinês e os nossos acordos, um ‘novo capítulo’ foi iniciado nas relações entre Pequim e Teerão", afirmou o Presidente do Irão, Hassan Rouhani, numa conferência citada pela imprensa chinesa.

 

O líder iraniano avançou que, nos próximos dez anos, os intercâmbios comerciais entre os dois países deverão somar 600.000 milhões de dólares.

 

"A China e o Irão são dois importantes países em desenvolvimento e devem continuar a cooperar nos âmbitos regional e internacional", afirmou, por seu lado, Xi Jinping.

 

Pequim é o maior cliente do petróleo iraniano e, em 2014, o comércio entre as duas nações somou 52.000 milhões de dólares, de acordo com fontes oficiais.

 

O périplo do líder chinês pelo Médio Oriente incluiu ainda visitas à Arábia Saudita e Egipto, numa altura em que a China arranca com um gigante plano de infraestruturas que pretende reactivar a antiga Rota da Seda entre a China e a Europa através da Ásia Central.

 

Pelas contas do Governo chinês, aquela iniciativa - "Uma Faixa, uma Rota" - que inclui a construção de uma malha ferroviária de alta velocidade entre a China e a Europa, vai abranger 65 países e 4,4 mil milhões de pessoas - cerca de 60% da humanidade.

 

A visita de Xi terá ainda servido para acalmar as tensões entre Arábia Saudita e Irão.

Riade anunciou no início do mês o corte de relações diplomáticas com Teerão, na sequência da tensão gerada pela execução do clérigo xiita Nimr Baqer al-Nimr, crítico do poder no reino sunita.

 

Xi viajou acompanhado de uma alta delegação política e económica, que incluiu três vice-primeiros-ministros, seis ministros e altos responsáveis da economia e comércio chineses.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

A china deve ter mais inimigos dentro do pais que fora dela,so que dentro eles tem mao nos refiloes e fora e para alargarem a sua expansao.Parece ja termos tantos em portugal,nao quererao eles dar licao ao jeronimo canhoto sobre o comunismo?

pub
pub
pub
pub