Mundo É melhor viver em Lisboa do que em Nova Iorque ou Tóquio

É melhor viver em Lisboa do que em Nova Iorque ou Tóquio

A capital portuguesa figura entre as 50 cidades com melhor qualidade de vida do mundo, à frente da exuberante Nova Iorque, da vizinha Madrid ou de Tóquio. Lisboa é a única cidade portuguesa neste ranking da Mercer.
REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS
Inês F. Alves 23 de fevereiro de 2016 às 00:01

Lisboa ocupa a 42ª posição do ranking da Mercer que lista mais de 200 cidades do mundo consoante a qualidade de vida que oferecem. A capital portuguesa desce um lugar face a 2015, "contrariando a tendência de melhoria dos últimos anos", refere o comunicado enviado à imprensa.

Na 42ª posição, Lisboa é precedida pela cidade italiana de Milão e pela capital do Reino Unido, Londres; e seguida das cidades norte-americanas Chicago e Nova Iorque.

A Europa lidera este ranking da Mercer, com sete lugares no Top 10 desta listagem. Viena, na Áustria, permanece na liderança do ranking pelo sétimo ano consecutivo. Seguem-se as cidades Zurique (2º lugar) e Munique (4º lugar).

"Apesar dos recentes acontecimentos com impacto na segurança e na estabilidade social, e das preocupações económicas que voltam a ensombrar a economia, as cidades europeias continuam a oferecer os mais altos níveis de qualidade de vida a nível mundial, de acordo com o 18º estudo da Mercer - Quality of Living 2016", pode ler-se neste comunicado.

A fechar este ranking de 230 países estão Bangui, na República Centro-Africana, e Bagdad, no Iraque.

O estudo da Mercer, conduzido anualmente, visa "possibilitar que as empresas multinacionais e outros empregadores compensem os seus colaboradores de forma justa quando destacados em funções internacionais", diz este relatório.

"Assegurar que as necessidades dos expatriados e das suas famílias são correspondidas, independentemente do local onde são colocados, é uma parte essencial da retenção de talento e das estratégias de recrutamento para a maioria das multinacionais", refere Diogo Alarcão, "partner" da Mercer.

Um dos "factores-chave" para empresas e colaboradores é a segurança na cidade de destino, diz a Mercer, que identifica também quais as cidades mais e menos seguras no seu ranking de segurança pessoal, com base "na estabilidade interna, criminalidade, aplicação da lei local e na relação do país com outros".

Neste aspecto, Lisboa ocupa a 59ª posição, à frente de cidades como Milão ou Barcelona, mas atrás de Hong Kong ou de S. Francisco nos EUA.

As cidades europeias dominam igualmente "o topo do ranking de segurança pessoal", com o Luxemburgo a liderar a lista, seguido de Berna, Helsínquia e Zurique empatadas na 2ª posição.

Todavia, "algumas capitais-chave encontram-se em níveis algo baixos do ranking, já que muitas sofreram ataques terroristas ou passaram por instabilidades sociais nos últimos anos", nomeadamente, Paris (71º), Londres (72º), Madrid (84º) e Atenas (124º).

No caso da Atenas, o sentimento de insegurança deve-se ao "recente tumulto político e económico na Grécia, que resultou em manifestações violentas em Atenas e outras cidades do país".

Nenhuma cidade norte-americana se encontra no top 50 deste ranking de segurança pessoal, mas a maioria destas "permanecem suficientemente seguras para expatriados", refere o relatório.

"No que se refere à segurança pessoal, o ranking para as cidades asiáticas apresenta uma grande variação", sublinha o estudo, que lista Singapura na 8ª posição, sendo a melhor colocada desta região, seguida "por cinco cidades japonesas – Kobe, Nagoya, Osaka, Tóquio e Yokohama, empatadas em 32º lugar". A capital chinesa, Pequim, já se encontra na 97ª posição.

Em África e no Médio Oriente, são "poucas as cidades desta região que se encontram no top 100 em termos de segurança pessoal", excluindo Abu Dhabi (23ª posição), seguida de Muscat (29ª), Dubai (40ª), Port-Louis (59ª) e Doha (70ª).

As 20 cidades com melhor qualidade de vida são: Viena, Zurique, Auckland, Munique, Vancouver, Dusseldorf, Frankfurt, Genebra, Copenhaga, Sidney, Amesterdão, Wellington, Berlim, Berna, Toronto, Melbourn, Ottawa, Hambugo, Luxemburgo e Estocolmo.

As 20 cidades com melhores condições de segurança pessoal são: Luxemburgo, Berna, Helsínquia, Zurique, Viena, Genebra, Estocolmo, Singapura, Auckland, Wellington, Copenhaga, Dusseldorf, Frankfurt, Munique, Nuremberga, Amesterdão, Calgary, Montreal, Ottawa e Estugarda.

(Notícia corrigida às 09:14)



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.02.2016

Pois é mas n é para todos é só para a elite e quem arrisca viver em tocas de rato a pagar rendas absurdas uma vida inteira. Já em Viena ou Munique quem vive fora fá-lo na grande maioria por opção pq preferem sosego ou ar puro De Já estive em Viena 1 semana em trabalho e é fantástica

saraiva14 23.02.2016

Então os senhores da Câmara de Lisboa gostam tanto de árvores e a Praça do Comércio é só cimento!?

José 23.02.2016

Zurique muda-se para a Alemanha e as empresas fogem para Santa Maria da Feira!

Anónimo 23.02.2016

Come que entao Zurique fica na Alemanha? Espero que o JN deixe de contratar analfabetos

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub