Mundo Hamas apela a nova intifada contra Israel

Hamas apela a nova intifada contra Israel

O líder do grupo palestiniano reagiu à declaração de Trump com um apelo para reforçar o combate ao "inimigo" de Israel.
A carregar o vídeo ...
"Estão a roubar-nos Jerusalém", acusou Ismail Haniyeh.
Negócios 07 de dezembro de 2017 às 09:31

A decisão anunciada pelo presidente dos Estados Unidos, de mover a embaixada em Israel para Jerusalém, reconhecendo esta como a capital do país, continua a gerar muitas reacções.

 

Uma das mais relevantes foi proferida esta manhã pelo Hamas, que apelou a uma intifada contra Israel. "Devemos apelar e trabalhar no sentido de lançar uma intifada contra os inimigos sionistas", afirmou o líder do grupo palestiniano, Ismail Haniyeh, numa declaração efectuada em Gaza, citada pela Bloomberg. 

"Estão a roubar-nos Jerusalém", acusou Haniyeh, que considerou a decisão de Trump como uma "declaração de guerra".

 

O presidente dos Estados Unidos anunciou esta quarta-feira, 6 de Dezembro, o reconhecimento formal da cidade sagrada de Jerusalém como a capital de Israel, revertendo praticamente toda a política diplomática praticada pelos EUA em relação ao conflito israelo-palestiniano ao longo dos últimos 70 anos. 

 

"Esta coligação do mal que decidiu de forma unilateral sobre o estatuto de Jerusalém merece uma resposta clara da nossa parte", afirmou.

A intifada é o nome popular dado às revoltas dos palestinianos contra o que dizem ser a ocupação de territórios por parte de Israel. A última ocorreu entre 2000 e 2005 e a concretizar-se, esta será a terceira. Todas provocaram milhares de mortos.

 

Haniyeh apelou aos palestinianos, muçulmanos e árabes para se juntarem nesta resposta à decisão de Trump, classificando amanhã como o "dia da raiva". "Que o dia 8 de Dezembro seja o primeiro da Intifada contra os ocupantes", afirmou o líder do Hamas.  

 

"Demos instruções a todos os membros do Hamas e seus dependentes para estarem totalmente preparados para as novas instruções e ordens que possam sem dadas para confrontar este perigo estratégico que representa uma ameaça para Jerusalém e para a Palestina", acrescentou.

 

Os talibãs afegãos também condenaram a decisão "fanática e imprudente" do Presidente dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, considerando que vai avivar o conflito no mundo, em particular no Médio Oriente.

 

"Esta decisão de Trump vai avivar as chamas do conflito em todo o mundo, especialmente no Médio Oriente", afirmaram os talibãs em comunicado, citado pela Lusa, qualificando o anúncio de Donald Trump como "um acto de fanatismo antimuçulmano e um passo imprudente".

 

(Notícia actualizada às 9:50 pela última vez)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Vamos Hamas Há 6 dias

Matem-nos

Anónimo Há 6 dias

O Hamas e o mundo Árabe não devem fazer sacrificar mais os seus povos, mais do que já tem sofrido. Há dezenas de anos que estão em guerras.

pub