Mundo Noruega recorre ao fundo soberano para pagar custos com refugiados

Noruega recorre ao fundo soberano para pagar custos com refugiados

A Noruega vai recorrer ao dinheiro do seu fundo soberano e reduzir os subsídios pagos aos refugiados, como forma de responder ao aumento de custos associado às entradas recordes de candidatos a asilo, informou fonte governamental.
Noruega recorre ao fundo soberano para pagar custos com refugiados
Lusa 30 de outubro de 2015 às 19:49

O Governo espera a chegada de 33 mil candidatos a asilo em 2016, o que é cerca do triplo da média dos últimos anos, e estima um custo orçamental de 9,5 mil milhões de coroas (mil milhões de euros), acima do que previu no orçamento, divulgado em 7 de Outubro.

 

Para financiar o aumento de custos, o Governo de direita, que inclui o Partido do Progresso, populista e anti-imigração, propôs a retirada de 1,2 mil milhões de coroas do fundo público de pensões, que é o maior fundo soberano mundial.

 

Hoje, o fundo, que é composto por receitas da exploração de petróleo e gás da Noruega, está avaliado em 7,36 biliões (milhão de milhões) de coroas.

 

O Governo também planeia redireccionar 4,2 mil milhões de coroas do seu orçamento para a assistência internacional para ajudar a cobrir os custos com os refugiados.

 

Os restantes 4,1 mil milhões devem ser financiados com o adiamento de reduções de impostos e outras poupanças, como reduzir os subsídios pagos aos refugiados e as horas lectivas das turmas para lhes ensinar Norueguês e acelerar a deportação dos candidatos a asilo cujo pedido foi rejeitado.

 

O executivo minoritário deve enfrentar negociações difíceis para conseguir fazer aprovar as suas propostas no parlamento. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub